Pedro Strasser lança o álbum autoral “Ingovernável”

Após mais de 30 anos de estrada, o baterista e saxofonista Pedro Strasser, conhecido nacionalmente pelo seu trabalho na banda Blues Etílicos durante 22 anos, lança agora em janeiro “Ingovernável”, seu primeiro álbum solo e autoral, como cantor e compositor nas 13 faixas que passeiam entre o blues, jazz e rock.

Show de Lançamento ao vivo álbum “Ingovernável”:

Nascido no Rio de Janeiro, formado com louvor pelo PIT – Hollywood/Los Angeles (1989), Pedro Strasser fez parte da cena musical carioca como baterista de inúmeros artistas e instrumentistas importantes como Dôdo Ferreira, Ronaldo Diamante, Frenéticas, Paulo Moura, Fernando Magalhães, Celso Blues Boy e integrou a banda Blues Etílicos por mais de 20 anos.

Sendo figura carimbada do maior Festival de Blues da América Latina, o MDBF da cidade de Caxias do Sul/RS, se instalou na cidade em 2019.

Desde então, Pedro teve a oportunidade de conhecer um apanhado de músicos e artistas do mais alto gabarito, que possibilitou gravar seu primeiro Álbum solo, “Ingovernável”.

Este é um show exclusivo de alta energia, produto do trabalho autoral, singular e criativo, desses talentos memoráveis do cenário musical nacional.

Informações:
Dia: 21/01/2022
Hora: 21:30h
Local do show: Pub Veio Loco
R$ 30,00 Antecipado
R$ 40,00 na Hora (Porta do Evento)
Venda Antecipada somente pelo PIX: (54) 9 8118-3064
Alcateia Agência de Lançamento – Produção

Da roda punk ao drink na piscina. Nesse álbum você encontrará músicas que se encaixarão facilmente em diversas playlists da sua vida. Treze sons autorais, carregados de autenticidade, com uma dose extra de Pedro Strasser.

Pedro Strasser (55) já tocou samba na China, já executou o hino nacional só na bateria, já acompanhou artistas como Celso Blues Boy, Paulo Moura, Fernando Magalhães, Orquestra de Sax, Dôdo Ferreira, Frenéticas, Ronaldo Diamante.

Gravado na sua chácara no interior de Caxias do Sul, Ingovernável nasceu na pandemia, e contou com a participação de vários músicos, alguns deles integrantes da banda Não Alimente os Animais: Lucas Ceconi (bateria e percussão), Lucas Chini (baixo), Felipe Magon (teclado), os irmãos Luis (guitarra) e Alexandre Alles (teclado). Os guitarristas Márcio Pimenta e João Toigo e o Sami Dutra (bateria) participaram do álbum. O álbum foi produzido em parceria com o Retrola Estúdio e traz músicas em inglês, sendo duas em português (Toco D’Alma e Fresquinha).

Playlist de “Ingovernável”:
1.Toco D’alma – Música pseudo punk rock enaltecendo sua crença no poder do rock criativo e original de sobrepujar a frequente falta de riqueza da atual música de sucesso.  
2. Whatever Stand (Seja qual o Posicionamento) – Uma levada em 7/8 recrutando as mentes inteligentes do mundo para procurarem soluções para os grandes problemas da humanidade, unindo-se independentemente aos seus valores morais, religiosos e posicionamento socioculturais.
3. Rockin’ (Na Balada) – Jazz/swing retratando como são os movimentos da noite do rapaz querendo levar a garota para a cama.
4. Sweet Caresses (Doce Chamego) – Um ‘blues lento’ que fala sobre a dor causada pela intolerância do homem diante da diversão da parceira sozinha na noite.
5. Return of the Prodigal Son (A Volta do Filho Prodígio) – Sobre a expectativa do povo do retorno de um famoso soprista de jazz à sua cidade natal.
6. Waters’ Roll (O Rolar das Águas) – Um blues/shuffle advertindo sobre um futuro de dificuldades para a humanidade se nada for feito no sentido de mudar nossa tendência consumista e de abusos ao meio ambiente.
7. Fresquinha – Música feita para sua mulher quando ela era comissária de bordo e passava dias fora. Um funk retratando as conversas telefônicas íntimas entre parceiros.
8. Mambinho – Tema instrumental latino gravado no piano.
9. Sapão – Tema em 6/8 feito espontaneamente pela banda em homenagem à sinfonia de sapos existente no lugar onde foi gravado o disco.
10. Mauren Mgee – Canção de amor platônico à cantora homônima radicada em São Paulo.
11. Soul Child (Cria do ‘Soul’) – Espécie de autorretrato expondo sua determinação e entrega total para empolgar e emocionar o publico.
12. G.O.R.R. – Tema instrumental de jazz leve tocado no piano.
13. More Better Blues (Tempos Melhores Virão) – Música ‘soul’ num crescendo infinito recomendando não perdermos a esperança de um futuro melhor, mantendo a serenidade e positividade diante dos problemas que parecem não ter fim.

Blues Etílicos foi criado no Rio de Janeiro em 1985 pelo gaitista Flávio Guimarães, o baixista Cláudio Bedran e o guitarrista Otávio Rocha e, alguns meses depois de sua estreia, incorporou o cantor e guitarrista Greg Wilson e o baterista Gil Eduardo.  Em 1987, lançou seu primeiro LP, o independente Blues Etílicos. Em 89, são contratados pela Gravadora Eldorado, lançando Água Mineral em 89, San Ho Zay em 1990 e IV em 91. San Ho Zay atinge a marca de 35.000 cópias vendidas , sendo o álbum mais vendido de uma banda de blues brasileira em todos os tempos.

Em 1996 o baterista Pedro Strasser entra na banda e são lançados os álbuns Dente de Ouro em 1996, Águas Barrentas – Ao Vivo em 2001, Cor do Universo em 2003, Viva Muddy Waters em 2007, o DVD Ao Vivo no Bolshoi Pub em 2011, o CD Puro Malte em 2013 e o CD Blues Etílicos 30 Anos Ao Vivo em 2015. Em 2017, a banda acompanha o violeiro Noel Andrade no álbum Canoeiros, lançado digitalmente. A partir de dezembro de 2017, Pedro se desliga da banda e Beto Werther assume as baquetas.

Em 2021, Pedro participou do clipe “Camarão no Lixo”, da banda gaúcha Não Alimente os Animais. No clipe, Pedro encarnou o personagem Dionysius, “pilotando” a cozinha, numa noite que promete ser do camarão, com os integrantes da banda (Alexandre Alles e Felipe Magon (teclados e voz), Lucas dos Ceconi (bateria), Lucas Chini (baixo e voz) e Luis Fernando Alles (guitarra e voz)) dividindo as cenas. Dionysius é uma figura peculiar, sendo um saxofonista de jazz que toca pela noite, mas não se limita a isso: é boêmio, malandro, debochado e um verdadeiro cidadão do mundo. O clipe foi dirigido por Mateus Frazão e Raphael Oss Moré.

https://linktr.ee/pedrostrasser

Da Redação by Cleo Oshiro

Artigo anteriorKishida enfrentará a onda da Ômicron
Próximo artigoÔmicron deverá ser a cepa recorde de infecções no mundo
Sou a Cleo Oshiro, uma mineira que no ano de 2002 optou por viver no Japão com a família. Em 2010 a Revista GVK Internacional no Brasil, especializada em karaokê, me descobriu no Orkut e através da minha paixão pela música e karaokê, decidiram fazer uma matéria sobre minha vida aqui no Japão, afinal foi aqui na cidade de Kobe que ele surgiu e se espalhou pelo mundo. Com a repercussão da matéria, eles me convidaram para ser a Correspondente Internacional da revista no Japão e aceitei o desafio e não parei mais. Fui Colunista Social por 2 anos no Portal Mie/Japão, da Revista Baladas Internacional/ Suiça, na BDCiTV/EUA e na Revista Biografia/ Brasil, realizando entrevistas com várias personalidades do meio artístico. Minhas matérias são para divulgar o trabalho dos artistas, sem apelos sensacionalistas, mesmo porque meu foco é mostrar a imensidão de talentos espalhados pelo mundo sejam famosos ou não. Atualmente faço parte da equipe da Rádio Shiga, onde faço matérias artísticas e sou a idealizadora do programa musical The Best Of Brazilian Music em parceria com o Omote-san. O programa foi suspenso devido problemas interno, mas o tempo em que esteve no ar levava a música brasileira à outros países da Asia. O programa The Best Of Brazilian Music era apresentado em inglês pela DJ Shine Dory, uma filipina apaixonada pela MPB e Bossa Nova. A escolha pelo idioma foi para alcançar japoneses e estrangeiros que vivem no Japão, já que inglês é um idioma universal e os brasileiros já contavam com o acesso as informações dos artistas através das matérias publicadas por mim no site