27 C
Kóka
terça-feira, 2024/05/28  1:01
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Painel de Ishikawa reconhece 30 mortes relacionadas ao terremoto

Primeira reunião do comitê de especialistas certifica vítimas do terremoto na Península de Noto.

Ishikawa, Japão – 15 de maio de 2024 – Mais de quatro meses após o poderoso terremoto de Ano Novo que atingiu a Península de Noto, no centro do Japão, um painel de especialistas realizou sua primeira reunião para a certificação de mortes relacionadas ao desastre. Na reunião, foi recomendada a certificação de 30 vítimas como mortes relacionadas ao terremoto.

Naka Noriko, de 71 anos, faleceu enquanto vivia em condições precárias em um abrigo. Seu marido, Tatsuo, solicitou a certificação de sua morte como relacionada ao desastre. “Espero que ela seja certificada, pois estaria viva se não fosse pelo terremoto”, disse Tatsuo.

A família Naka vive na cidade de Takimata, em Wajima, na província de Ishikawa. O terremoto isolou a cidade ao cortar as estradas de acesso, deixando os moradores sem água e eletricidade por um longo período. O casal inicialmente se abrigou em um armazém de um fazendeiro, onde dormiram sobre sacos de fertilizante.

Nove dias após o terremoto, a saúde de Noriko piorou repentinamente. Seu marido solicitou um resgate aéreo de emergência, mas o helicóptero médico não pôde voar devido ao mau tempo. “Noriko dizia que sentia frio mesmo quando estava coberta por um cobertor”, relatou Tatsuo. “Depois de 30 minutos, ela fechou os olhos. Não pude fazer nada. Me senti impotente, sem saber o que fazer.”

Famílias de pessoas que aparentemente morreram devido ao estresse e à fadiga enquanto viviam fora de casa por causa do terremoto podem se qualificar para assistência financeira. Para isso, é necessário apresentar um pedido de certificação de morte relacionada ao desastre.

Os governos locais convocam uma reunião de especialistas para determinar quais mortes atendem aos critérios. O painel se reuniu pela primeira vez na terça-feira (14).

Foram analisadas 35 solicitações de residentes falecidos nas cidades de Wajima e Suzu, assim como na cidade de Noto. Destas, o painel recomendou a certificação de 30 vítimas.

O professor da Universidade de Kansai, Okumura Yoshihiro, enfatizou a importância de continuar apoiando as pessoas afetadas. “O clima vai esquentar e as pessoas tendem a perder a resistência no calor”, disse. “Os sobreviventes não devem exagerar nas limpezas e reconstruções. Devem pedir ajuda aos mais jovens.”

Os governos municipais já receberam pelo menos 100 solicitações de certificação. Esse número pode aumentar significativamente à medida que o processo de triagem avança.