Guinga recebe Bruna Moraes e Jean Charnaux em live no CCBB Rio de Janeiro

No quinto encontro do projeto GUINGA E AS VOZES FEMININAS, o violonista homenageado receberá no palco a cantora e compositora Bruna Moraes, de São Paulo. Será na quinta, 29 de outubro, às 20h, de graça no youtube.com/bancodobrasil.

Com idealização e direção da artista visual e cineasta Fernanda Vogas, GUINGA E AS VOZES FEMININAS vai até 12 de novembro. Em cada live, transmitida ao vivo do CCBB Rio de Janeiro, serão apresentados diferentes repertórios e arranjos para a obra do homenageado, que completou 70 anos em junho último. A série tem patrocínio do Banco do Brasil, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

“Guinga é um gênio, compositor e violonista excepcional, e dono de uma voz singular. Para essa celebração convidamos oito cantoras de diferentes gerações e quatro instrumentistas para dividirem o palco com o homenageado. A identificação de Guinga com as vozes femininas é algo que lhe é bastante característico e que vem de há muito tempo: ele aprendeu a tocar violão acompanhando o canto de sua mãe, e desde os anos 70, tocou primeiro com Clara Nunes e Elis Regina e, depois, com Elza Soares, Nana Caymmi, Alaíde Costa, Zezé Gonzaga, Miúcha, Maria João, Leila Pinheiro e Mônica Salmaso, por exemplo”, rebobina Fernanda.

O roteiro do encontro no palco do veterano Guinga com Bruna Moraes (foto abaixo) prevê canções como “Baião de Lacan”, “Vô Alfredo”, “Exasperada” e “Catavento e Girassol” (parcerias de Guinga e Aldir Blanc). O depoimento da jovem cantora diz tudo:

“Eu tinha só 14 anos. Lencker, parceiro com quem fiz a minha primeira canção, era fã do Guinga e me mostrou tudo. Ele estava comigo naquela experiência inesquecível de ver Guinga ao vivo pela primeira vez. O cantor Zé Luiz Mazziotti estava junto e me apresentou a ele como cantora. Guinga quis me ouvir, lá mesmo, na beira do palco do Sesc Pompeia. Cantamos ‘Chorei num samba’, Guinga ouviu e se emocionou. Ficou interessado em me ouvir mais e me deu o seu telefone. Voltamos pra casa atônitos. Só consegui ligar meses depois e já parecíamos velhos amigos. As conversas eram sempre longas. Guinga mudou a minha vida e a sua arte transfigura tudo. Cantar num show do Guinga é, definitivamente, um dos momentos mais esperados da minha vida”, derrete-se ela.

Outras vozes femininas
Guinga desenvolveu um jeito único de dedilhar o seu seis cordas, inspirando as novas gerações do violão e fazendo as intérpretes sonharem com o seu acompanhamento inventivo e mais do que completo. Em todos os encontros da série GUINGA E AS VOZES FEMININAS, o próprio empunhará o seu instrumento.

Depois de Bruna Moraes, o projeto continuará no dia 1º de novembro com a mineira Ana Carolina emprestando a sua voz grave ao repertório luxuoso de Guinga, com o reforço de Jean Charnaux (foto acima), profundo conhecedor da obra que está sendo revisitada. Já no dia 5 de novembro, a potência vocal da carioca Ilessi se somará às cordas de Guinga e Charnaux.

No dia 8 de novembro, Luísa Lacerda vai cantar e tocar com Guinga mais o sax soprano de Zé Nogueira. No dia 12 de novembro, Leila Pinheiro, que fez o show de abertura ao lado de Marcus Tardelli, voltará para encerrar a homenagem do CCBB com uma surpresa para o público.

AGENDA DE LIVES
Dia 29 de outubro (quinta-feira), às 20h
Guinga recebe Bruna Moraes e Jean Charnaux

Dia 1 de novembro (domingo), às 20h
Guinga recebe Ana Carolina e Jean Charnaux

Dia 5 de novembro (quinta-feira), às 20h
Guinga recebe Ilessi e Jean Charnaux

Dia 8 de novembro (domingo), às 20h
Guinga recebe Luísa Lacerda e Zé Nogueira

Dia 12 de novembro (quinta-feira), às 20h
Guinga recebe  Leila Pinheiro e Marcus Tardelli

CICLO DE PALESTRAS – POR ANNA PAES
Aos sábados, às 20h
O público poderá assistir a mais duas palestras:
Dia 31 de outubro :: Guinga, memória, história e identidade
Anna Paes fará uma retrospectiva dos 53 anos de carreira de Guinga, procurando analisar como se construiu a sua assinatura musical.

Dia 7 de novembro :: Viva Aldir! A parceria entre Guinga e Aldir Blanc
Iniciada em 1988, essa parceria resultou no primeiro disco da carreira de Guinga, “Simples e absurdo”, em 1991. Cinco anos depois, Leila Pinheiro dedicaria um disco a obra da dupla: “Catavento e Girassol”. São dois marcos na carreira de Guinga e, nesta palestra, Anna fará uma retrospectiva desta parceria, destacando os principais intérpretes, com ilustrações em áudio e vídeo.

Belmira Comunicação:
Monica Ramalho (21) 9.9163.0840 – [email protected]
Rafael Millon (21) 9.8558.9849 – [email protected]

Da Redação by Cleo Oshiro

Artigo anteriorTóquio confirma 221 novos casos de infecção por coronavírus chinês nesta quinta-feira (29)
Próximo artigoBlack Circle lança “Low White Ceiling” e é convidada por Eddie Vedder para show beneficente
Cleo Oshiro
Sou a Cleo Oshiro, uma mineira que no ano de 2002 optou por viver no Japão com a família. Em 2010 a Revista GVK Internacional no Brasil, especializada em karaokê, me descobriu no Orkut e através da minha paixão pela música e karaokê, decidiram fazer uma matéria sobre minha vida aqui no Japão, afinal foi aqui na cidade de Kobe que ele surgiu e se espalhou pelo mundo. Com a repercussão da matéria, eles me convidaram para ser a Correspondente Internacional da revista no Japão e aceitei o desafio e não parei mais. Fui Colunista Social por 2 anos no Portal Mie/Japão, da Revista Baladas Internacional/ Suiça, na BDCiTV/EUA e na Revista Biografia/ Brasil, realizando entrevistas com várias personalidades do meio artístico. Minhas matérias são para divulgar o trabalho dos artistas, sem apelos sensacionalistas, mesmo porque meu foco é mostrar a imensidão de talentos espalhados pelo mundo sejam famosos ou não. Atualmente faço parte da equipe da Rádio Shiga, onde faço matérias artísticas e sou a idealizadora do programa musical The Best Of Brazilian Music em parceria com o Omote-san. O programa foi suspenso devido problemas interno, mas o tempo em que esteve no ar levava a música brasileira à outros países da Asia. O programa The Best Of Brazilian Music era apresentado em inglês pela DJ Shine Dory, uma filipina apaixonada pela MPB e Bossa Nova. A escolha pelo idioma foi para alcançar japoneses e estrangeiros que vivem no Japão, já que inglês é um idioma universal e os brasileiros já contavam com o acesso as informações dos artistas através das matérias publicadas por mim no site