DJ Alok vai iluminar o céu do Brasil

O DJ Alok, reconhecido mundialmente está sempre surpreendendo, e dessa vez o espetáculo vai acontecer no céu do Brasil nos próximos dias. Com o desejo de iluminar o caminho de um novo ciclo que se aproxima, Alok escolheu nove cidades brasileiras, que se conectarão simbolicamente através de um laser. O evento se estenderá até o dia cinco de dezembro, dia marcado para uma live especial de fim de ano do Alok. O espetáculo será transmitida pelas redes sociais do DJ.

A ação teve como inspiração a passagem do cometa 21P/Giacobini-Zinner, que anualmente no mês de outubro deixa um rastro de minúsculos detritos, formando uma chuva de meteoros. O canhão luminoso, que projetou as luzes no céu porto-alegrense na noite de domingo, foi instalado no heliponto do Hotel Novotel, no bairro Três Figueiras. A ação teve início às 20h, sendo iniciada remotamente por Alok de sua casa. O show de luzes durou até às 23h. Foto abaixo: Filipe Barreto / Divulgação

O evento antecede ao encontro da live “Alive” dia 5 de Dezembro. (Pessoal, na primeira live tive o sentimento de levar luz para as pessoas e o laser foi para materializar isso. Dessa vez, para fazer a ativação, vamos levar o laser do sul ao norte do país, fiquem por dentro, e se preparem porque a luz vai chegar aí) afirmou Alok em um vídeo. Os locais para os shows de laser de cada cidade, foram escolhidos minuciosamente, facilitando o acesso do maior número de expectadores e evitando aglomerações devido à pandemia. Basta olhar para o céu e curtir o espetáculo.

Confira as cidades que serão iluminadas:
1/11 PORTO ALEGRE 30°01’55.3″S 51°10’42.5″W
2/11 FLORIANÓPOLIS 27° 35′ 38″ S, 48° 33′ 58″ W
4/11 RIO DE JANEIRO 22°57’07.1″S 43°12’38.3″W
5/11 BELO HORIZONTE 19°52’33.6″S 43°55’44.6″W
7/11 BRASÍLIA [?]
8/11 GOIÂNIA 16°42’45.7″S 49°14’15.4″W
10/11 SALVADOR 12°58’50.4″S 38°27’01.5″
12/11 RECIFE 8°05’07.6″S 34°53’21.6″W
14/11 MANAUS [?]

Alok Petrillo tem uma raiz musical muito forte, criado em uma família onde ambos os pais (DJS Swarup e Ekanta) e o irmão gêmeo (Dj Bhaskar) também são artistas de música eletrônica. Desde os seus 11 anos, que o seu universo têm girado em torno dela. O início precoce fez dele um produtor pró-ativo ao lado do irmão Bhaskar e, eventualmente, em carreira solo totaliza mais de uma década de trabalho. Mais de 10 anos depois, Alok dedicou seu tempo implacavelmente transformando-se em um dos ícones mais proeminentes da cena brasileira, com honrarias e prêmios, tais como; “Melhor DJ do Brasil” para House Mag Brasil por duas vezes consecutivas (2014/2015) e 44ª no mundo para Dj Mag, em 2015.

Em 2016, Alok percorreu vários países em todos os continentes, além de tocar nos maiores festivais e eventos espalhando seu estilo popularmente chamado de “Brazilian Bass”. No mesmo ano Alok recebeu o reconhecimento de seu trabalho árduo, juntamente com incansáveis horas de dedicação atraindo importantes conquistas, tais como, contratos assinados com a Spinning Records e William Morris (WME).

Alok tem trabalhado incansavelmente ao longo dos últimos anos em uma constante evolução e progresso onde sua música, de forma muito autêntica, o tornou pioneiro de um novo subgênero, o “Brazilian Bass”. Sua música funde elementos e influências que mergem pegadas de techno e elementos do house.

Versatilidade, habilidade e carisma fazem de Alok uma garantia de respostas excepcionais nas pistas de dança. Atitudes traduzidas em fortes basslines trazem a certeza de que Alok é a nova aposta para o cenário nacional e internacional. Casado com a médica Romana Novais, pai do Ravi, que nasceu em Janeiro, eles aguardam a chegada da filha que se chamará Raika e segundo o DJ:  “Foi feita no dia da sua famosa live.

A energia da live perdurou a noite inteira (risos)! E essa luz vai permanecer pelo resto de nossas vidas! Obrigado Deus por mais uma benção”. Uma menina é tudo o que o casal poderia esperar, afinal a primeira gravidez de Romana teve um final triste ao sofrer um aborto de uma garotinha. Como Alok curte super produções, o chá revelação não poderia ser diferente e o casal arrasou ao revelar o sexo da criança.

Alok não é somente um grande profissional da música eletrônica, mas um ser humano incrível, sempre envolvido em projetos sociais ou estendendo a mão para quem precisa de ajuda. No mês de agosto, enquanto jogava um campeonato promovido por ele de Free Fire online, ele se sensibilizou com a história do jovem chamado Calleby, que morava num imóvel com cozinha, banheiro e um quarto mofado que dividia com mais quatro familiares.

Alok prometeu construir uma casa para o amigo virtual e sua família. Sem dinheiro para construir um casa maior no terreno em que vivem, o jovem chorou de emoção com a atitude do Alok. O DJ prometeu demolir o imóvel, para construir uma casa nova, com espaço suficiente para abrigar confortavelmente toda a família do jovem Calleby.

“Eu vou construir uma casa pra você e pra sua família não terem mais que dormir nesse quarto. A gente combina, vê o prazo certinho, constrói com o tempo, porque tem que demolir essa casa. Você não vai mais passar esse problema de estar dormindo nesse quarto mofado com todo mundo. Cada um vai ter seu quarto. Vou te dar um celular e um computador pra você estudar. E eu quero que assim que você puder ajude sua família e depois ajude alguém que precise”, disse o DJ durante a live do jogo. Calleby foi às lágrimas com a atitude nobre de Alok.
O DJ é também apoiador do Rally dos Sertões, que contará com uma equipe especial em 2020. A piloto de UTV Helena Deyama e sua navegadora Joseane Koerich irão compor um time feminino no evento, que contará também com a piloto Moara Sacilotti na categoria motos.
Batizado de MUSA (sigla para Mulheres Unidas Sertões Adentro), o projeto entra em seu primeiro ano e entre os UTVs estará nas garagens da equipe da Can-Am em companhias bastante ilustres. Elas serão assessoradas pelo experiente piloto Reinaldo Varela, campeão do Dakar (maior rally do mundo) entre os UTVs em 2018 e detentor de dez títulos nos Sertões. Além dele, elas também terão outros companheiros de peso no time, com um trio formado pelo DJ brasileiro Alok, o ex-piloto de Fórmula 1 Nelsinho Piquet e o empresário e apresentador Álvaro Garnero em outro carro, segundo matéria publicada no site da Uol.

O DJ é um dos padrinhos que abraçaram o Movimento Fraternidade sem Fronteiras, participando e contribuindo com a Ong desde 2016. Ele já visitou aldeias em Moçambique para ver de perto a ação da Ong e arregaçou as mangas para ajudar a diminuir o sofrimento dessas pessoas, em especial os orfãos.  Em 2018 ele realizou um show para 8 mil pessoas e doou todo o cachê para a Fraternidade sem Fronteiras. Foram R$ 250 mil  destinados à construção de uma escola na aldeia 7 de Abril, em Moçambique/África. O local não tinha estrutura para receber os alunos, por isso, foi feita a construção de um novo prédio. Hoje atende mais de 1.500 crianças.

Além do seu empenho na África, Alok e as as ONGs Retrato da Esperança e Fraternidade sem Fronteiras (@fraternidadesemfronteiras ) criaram no Brasil o Projeto Vila da Esperança, buscando levar dignidade e esperança às pessoas que vivem nos lugares atingidos pela seca, acolhendo famílias da comunidade rural de Rio do Vigário, em Canudo, sertão da Bahia. O projeto se dedicou a construir casas, perfurando poços de água potável com dessalinizadores, instalando energia elétrica através de placas solares nas residências e construindo um centro educacional multiuso.

Em 2019, Alok e o irmão Baskar, produziram o CD “Cantos para a África” e toda a renda foi doada para a Ong, que mantém centros de acolhimento, oferecem alimentação, cuidados com a higiene, atividades pedagógicas, culturais e formação profissionalizante em Moçambique, na África Subssariana.  Em agosto, Alok lançou ‘Party On My Own’ em parceria com Vintage Culture, outro grande nome da música eletrônica brasileira, e a participação do produtor e DJ FAULHABER.

O lançamento foi feito pela CONTROVERSIA Records, gravadora do Alok, que bateu 100 milhões de streams no Spotify e 50 milhões de acessos no YouTube em seu primeiro ano. O intuito da parceria é ajudar as instituições sociais Fraternidade Sem Fronteiras e AACD. Os artistas doarão os roayalties para as entidades. “Quando a gente faz algo pensando no coletivo e na caridade, Deus conspira a favor. A gente não vai mudar o mundo, mas a gente pode mudar o mundo dessas pessoas.” diz Alok.

Facebook:https://www.facebook.com/livealok
Website: https://www.fraternidadesemfronteiras.org.br/

Da Redação by Cleo Oshiro

Artigo anteriorSuper tufão Goni toca terra duas vezes nas Filipinas após evacuação em massa
Próximo artigoCovid-19 Brasil: 5.545.705 casos confirmados, 4.980.942 recuperados, 160.074 óbitos e 404.689 em recuperação
Cleo Oshiro
Sou a Cleo Oshiro, uma mineira que no ano de 2002 optou por viver no Japão com a família. Em 2010 a Revista GVK Internacional no Brasil, especializada em karaokê, me descobriu no Orkut e através da minha paixão pela música e karaokê, decidiram fazer uma matéria sobre minha vida aqui no Japão, afinal foi aqui na cidade de Kobe que ele surgiu e se espalhou pelo mundo. Com a repercussão da matéria, eles me convidaram para ser a Correspondente Internacional da revista no Japão e aceitei o desafio e não parei mais. Fui Colunista Social por 2 anos no Portal Mie/Japão, da Revista Baladas Internacional/ Suiça, na BDCiTV/EUA e na Revista Biografia/ Brasil, realizando entrevistas com várias personalidades do meio artístico. Minhas matérias são para divulgar o trabalho dos artistas, sem apelos sensacionalistas, mesmo porque meu foco é mostrar a imensidão de talentos espalhados pelo mundo sejam famosos ou não. Atualmente faço parte da equipe da Rádio Shiga, onde faço matérias artísticas e sou a idealizadora do programa musical The Best Of Brazilian Music em parceria com o Omote-san. O programa foi suspenso devido problemas interno, mas o tempo em que esteve no ar levava a música brasileira à outros países da Asia. O programa The Best Of Brazilian Music era apresentado em inglês pela DJ Shine Dory, uma filipina apaixonada pela MPB e Bossa Nova. A escolha pelo idioma foi para alcançar japoneses e estrangeiros que vivem no Japão, já que inglês é um idioma universal e os brasileiros já contavam com o acesso as informações dos artistas através das matérias publicadas por mim no site