25.6 C
Kóka
quinta-feira, 2024/06/20  5:30
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Navios chineses armados invadem em águas territoriais do Japão perto das Ilhas Senkaku

Quatro embarcações da Guarda Costeira da China, aparentemente com canhões, invadiram brevemente águas japonesas.

Tóquio, Japão, 8 de junho de 2024 (NHK) – Quatro navios da Guarda Costeira da China, cada um, aparentemente, equipado com um canhão, entraram temporariamente nas águas territoriais do Japão perto das Ilhas Senkaku, no Mar da China Oriental.

Autoridades da Guarda Costeira japonesa disseram que as embarcações entraram nas águas territoriais próximas à Ilha Minamikojima, uma após a outra, por volta das 10h30 da manhã de sexta-feira (7). Eles acrescentaram que todos os navios haviam deixado as águas por volta do meio-dia e meia.

O quartel-general da Guarda Costeira japonesa afirmou que cada navio parecia ter um canhão. Foi a primeira vez que todas as embarcações de um grupo que entrou foram confirmadas como tendo tais armas. Em muitas navegações passadas por quatro navios chineses, apenas um tinha um canhão.

A Guarda Costeira japonesa está alertando e monitorando para que nenhum navio chinês entre novamente nas águas.

Esta foi a 17ª vez neste ano e a primeira desde 25 de maio que navios oficiais chineses entraram nas águas territoriais japonesas próximas às ilhas.

As quatro embarcações haviam sido vistas na zona contígua, logo fora das águas territoriais, mais cedo na sexta-feira (7).

Navios chineses têm navegado na zona contígua perto das Senkaku quase diariamente. Eles foram vistos por 169 dias consecutivos, desde 22 de dezembro do ano passado até sexta-feira (7), o período mais longo desde que o governo japonês adquiriu a propriedade de algumas das Ilhas Senkaku de um proprietário japonês em 2012.

O Japão controla as ilhas. China e Taiwan as reivindicam. O governo japonês mantém que as ilhas são parte inerente do território do país, em termos históricos e de direito internacional, e que não há questão de soberania a ser resolvida sobre elas.