28.5 C
Kóka
quinta-feira, 2024/06/20  6:56
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Jornalista da Al Jazeera manteve reféns cativos para o Hamas

Operativo palestino pode ter exposto acidentalmente ligação de captor de reféns israelenses com organização americana

Faixa de Gaza, Territórios Palestinos, 10 de junho de 2024 (Agência de Notícias Jerusalem Post) – Abdallah Aljamal, que trabalhava para a Palestine Chronicle, uma publicação pró-Hamas liderada pelo ex-funcionário da Al-Jazeera Ramzi Baroud, foi posteriormente confirmado pelas Forças de Defesa de Israel (IDF) como um ativista do Hamas.

Ramy Abdu, um operativo do Hamas baseado na Europa designado por Israel que lidera o monitor Euro-Med de Direitos Humanos, pode ter revelado, involuntariamente, que um dos relacionados ou encarregados de manter reféns israelenses em nome do Hamas trabalhou para uma organização isenta de impostos 501(c)3 sediada nos EUA.

Em duas postagens em sua conta pessoal no X, Abdu nomeou Abdallah Aljamal, um “jornalista” de 36 anos, e sua esposa Fatima, como alguns dos mortos pelas forças da IDF durante sua incursão em casas em Nuseirat, onde os reféns estavam detidos.

No entanto, mais pesquisas mostraram que Aljamal trabalhava para a Palestine Chronicle, uma publicação pró-Hamas liderada pelo ex-funcionário da Al-Jazeera Ramzi Baroud, operando sob os auspícios do “People Media Project”, uma organização 501(c)3 registrada desde 2012 em Olympia, Washington, cujos registros do IRS não foram encontrados online. Da mesma forma, Aljamal foi encontrado escrevendo uma opinião para a Al Jazeera, com sede no Catar, além de atuar como porta-voz do Ministério do Trabalho do Hamas.

Inicialmente, não estava claro se os reféns estavam sendo mantidos na própria casa dos Aljamal ou nas proximidades, embora o tweet de Abdu tenha mencionado uma incursão da IDF usando uma escada em sua janela. Quando questionado sobre as perspectivas da família Aljamal esconder reféns israelenses em sua casa, Abdu alegou que “isso deveria ser abordado por autoridades israelenses”, afirmando que pelo menos outras sete casas foram documentadas como alvo da incursão israelense.

No domingo (9) à noite, a IDF emitiu a seguinte declaração: “Após a conclusão dos exames da IDF e do Serviço de Segurança Interna (Shin Bet) sobre os relatos sobre o assunto, pode-se confirmar que Abdallah Aljamal era um operativo da organização terrorista Hamas, que manteve os reféns Almog Meir Jan, Andrey Kozlov e Shlomi Ziv cativos em sua casa familiar em Nuseirat. Os reféns foram mantidos cativos por Abdallah Aljamal e membros de sua família em sua casa. Esta é mais uma evidência do uso deliberado de casas e edifícios civis pela organização terrorista Hamas para manter reféns israelenses cativos na Faixa de Gaza. As forças de segurança israelenses continuarão fazendo todos os esforços para trazer os reféns de volta para casa.”

Esta não é a primeira vez em que civis gazanos estiveram envolvidos em manter reféns em suas casas em nome de organizações terroristas, pois outros reféns libertados e soltos já relataram ter sido mantidos cativos em residências civis na Faixa de Gaza.

Na manhã de domingo (9), a Al Jazeera negou que Aljamal tenha sido empregado pela organização, afirmando que os rumores eram falsos e infundados.