26.1 C
Kóka
terça-feira, 2024/05/28  12:10
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Ministra das Relações Exteriores do Japão reage a comentários do Senado dos EUA sobre bombardeios atômicos

Kamikawa Yoko expressa desaprovação em relação às observações feitas durante debate no Senado dos EUA sobre apoio militar a Israel.

Washington, EUA, 11 de maio de 2024 – O Senado dos Estados Unidos gerou reações no Japão após uma discussão que mencionou os bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki. Os bombardeios foram evocados durante um debate sobre o apoio militar dos EUA a Israel em sua luta contra o Hamas.

Durante uma audiência de subcomissão do Senado na quarta-feira (8), sobre a suspensão parcial dos envios de armas americanas, o senador republicano Lindsey Graham instou que as entregas de armas fossem retomadas, referindo-se aos bombardeios atômicos de 1945.

O senador disse: “Dê a Israel o que eles precisam para lutar na guerra que não podem perder. Isso é Hiroshima e Nagasaki em esteroides.”

Em determinado momento, Graham pressionou altos funcionários de defesa dos EUA sobre se eles consideravam que o uso de armas nucleares era justificado.

Graham perguntou: “Com o benefício da retrospectiva, você acha que foi a decisão certa para a América lançar duas bombas atômicas sobre cidades japonesas em questão?”

O presidente do Estado-Maior Conjunto dos EUA, Gen. Charles Q. Brown, respondeu: “Digo que parou uma guerra mundial.”

Graham então perguntou ao secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin: “Você concorda, general Austin? Se você estivesse por perto, diria para lançá-las?”

Austin respondeu: “Concordo com o presidente aqui.”

Na sexta-feira (10), a ministra das Relações Exteriores do Japão, Kamikawa Yoko, foi questionada sobre esses comentários por um repórter. Ela disse: “Acredito que esses comentários sobre Hiroshima e Nagasaki não foram apropriados. O Japão está ciente de que os bombardeios atômicos de Hiroshima e Nagasaki tiraram tantas vidas preciosas e causaram uma situação humanitária extremamente lamentável, na qual as pessoas sofreram dificuldades indescritíveis devido a doenças e deficiências.”

A ministra das Relações Exteriores acrescentou: “Como o governo tem dito há muito tempo, acreditamos que o uso de armas nucleares não condiz com o espírito humanitário, que é a base ideológica do direito internacional, devido ao seu tremendo poder destrutivo e letal.”

Kamikawa afirmou que Tóquio transmitiu essa visão a Washington, bem como ao escritório do senador Graham.