27 C
Kóka
terça-feira, 2024/05/28  12:34
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Conselheiro de Segurança das Filipinas pede a expulsão de diplomatas chineses

Conselho de Segurança Nacional das Filipinas insta o Ministério das Relações Exteriores a expulsar diplomatas chineses por disseminarem informações falsas sobre um banco de areia disputado no Mar do Sul da China.

Manila, Filipinas – 11 de maio de 2024 – O Conselho de Segurança Nacional das Filipinas pediu ao Ministério das Relações Exteriores que expulse diplomatas chineses por disseminarem informações falsas sobre um banco de areia disputado no Mar do Sul da China. O conselho afirma que eles tentaram dividir o povo filipino.

O Conselheiro de Segurança Nacional das Filipinas, Eduardo Ano, divulgou uma declaração na sexta-feira (10).

Ano alega que a Embaixada Chinesa em Manila esteve envolvida em “atos repetidos de engajamento e disseminação de desinformação, informações equivocadas e mal informações.” Ele diz que o objetivo é semear “discordância, divisão e desunião.”

Ano se referia à afirmação da China de que os dois países chegaram a um acordo em janeiro sobre missões de reabastecimento a uma base militar filipina no Banco de Areia Second Thomas no Mar do Sul da China. As Filipinas efetivamente controlam o banco de areia.

O governo filipino negou a existência de um acordo e disse que a China está travando uma guerra de informação.

A Embaixada Chinesa teria, na terça-feira (7), fornecido à mídia filipina uma gravação de uma conversa telefônica entre um alto oficial militar filipino e um diplomata chinês discutindo o banco de areia.

A declaração de Ano diz que gravar tais conversas telefônicas viola a Lei Anti-Grampo das Filipinas e constitui “graves violações dos protocolos diplomáticos.”

O governo filipino afirma que, mesmo que a conversa tenha realmente ocorrido, não foi alcançado um acordo entre os dois governos.