Carol Zoccoli lança primeiro álbum de stand-up em inglês

Carol Zoccoli é comediante, atriz e roteirista brasileira que vive na América do Norte há nove anos. Se apresentando para o público norte-americano, ela lançou no dia 13 de janeiro, seu primeiro álbum de stand-up em inglês, que já se encontra disponível em todas as plataformas digitais. Gravado em 2021 em Toronto (Canadá), onde vive, Carol fala sobre ser uma imigrante brasileira, seu marido robô e sobre a superioridade do cachorro-quente brasileiro!

Convidada para os maiores festivais de comédia da América do Norte: Just For Laughs 42 em Toronto; Festival de Novos Talentos da NBC em Chicago, participou da abertura do Festival de comédia de Nova Iorque em 2016, Festival Laughing Skull em Atlanta, Festival de Halifax e Festival de Winnipeg no Canadá – os dois últimos foram filmados e transmitidos pela principal TV Canadense, a CBC.

Como recompensa da sua atividade na comédia na cidade de Toronto, Carol ganhou o prêmio Tim Sims Encouragement Award em 2015, prêmio dado pela secretaria de cultura de Toronto para o comediante “revelação” do ano. Carol se apresentou com o mundialmente famoso teatro de comédia The Second City, onde também lecionou improviso.

Em 2016, Carol criou o show Comedy as a Second Language (Comédia como segunda língua) em Toronto para que comediantes imigrantes e filhos de imigrantes pudessem usar a comédia para falar sobre a experiência de ser um imigrante. O show foi objeto de um artigo de página inteira em um principais jornais de Toronto, o Toronto Star.

Segundo Carol: “Em uma época de crescente xenofobia, onde os políticos alimentam o medo do “outro”, a Comédia como Segunda Língua busca humanizar os imigrantes e, brincando sobre nossas diferenças, nos lembra de nossas semelhanças.

A CSL oferece uma plataforma para vozes que normalmente não são ouvidas, falando sobre experiências que de outra forma não seriam compartilhadas, e esperamos que, simplesmente expondo o público a essas histórias e fazendo com que riam conosco, sirva como vacina contra intolerância.

Ao demonstrar que os imigrantes são apenas pessoas comuns com lutas, desejos e problemas semelhantes, podemos derrubar muros e talvez, apenas talvez, impedi-los de subir em primeiro lugar.”

Atualmente o show acontece em Toronto e Washington DC. How To Beat Up Any Man (Como bater em qualquer homem) seu primeiro monólogo cômico, ficou em cartaz em Toronto em Abril de 2019. Nesse monólogo eu conto como foi crescer em Mato-Grosso tendo que dar porrada na molecada pra ser respeitada na rua. Não foi fácil, principalmente pelo fato de que tenho 1,49m! Esse monólogo foi uma das coisas mais difíceis que eu fiz no palco, dividir uma história tão pessoal e ainda por cima em inglês! diz Carol.

Entre seus trabalhos está A culpa é da Carlota, que vai ao ar pelo Comedy Central, sendo um programa 100% protagonizado por mulheres que aborda todas as particularidades regionais do Brasil, seus problemas, costumes e características marcantes de forma cômica. Na sua 3ª temporada, Carol divide o palco com Arianna Nutt, Bruna Louise, Cris Wersom e Dadá Coelho. O programa vai ao ar no serviço de streaming Paramount+ no dia seguinte à exibição na TV.

Carol é integrante do especial de stand-up original da Netflix, Lugar de Mulher, ao lado de Bruna Louise, Cintia Rosini e Micheli Machado, onde as quatro comediantes falam sobre sexualidade, política, religião e maternidade – e tentam provar que o lugar de uma mulher é onde ela quiser, inclusive na comédia. O programa foi lançado na Netflix em 2019.

Com muito humor e irreverência, é exibido o stand-up  das comediantes com cerca de 15 minutos cada uma, nos episódios em formato de série.  Elas mostram que machismo não tem vez e que mulher pode fazer o que quiser.

Morando em Toronto, se formou no Second City’s Conservatory Program e tem se apresentados regularmente pela cidade em inglês e português. Recebeu o Prêmio de Incentivo Tim Sims de 2015 em Toronto e fez parte do Accent da CBC em Toronto em 2016. Em 2017, ela estava nas listas do Halifax Comedy Festival, JFL42 e Laughing Skull Comedy Festival.

Carol ensina e atua na Second City’s Education Company.

Formada em filosofia pela Universidade de São Paulo (USP), é mestre em Estética e História da Arte. Iniciou sua carreira em 2007 com apresentações de stand-up comedy e em 2008, foi eleita como a revelação da comédia stand-up em São Paulo, pela revista Época.

Apresentou seu número de stand-up em diversos programas de TV: Programa do Jô e Altas Horas (Rede Globo), The Noite com Danilo Gentili, Programa do Raul Gil, A Praça é Nossa e Eliana (SBT), Agora é Tarde (Band) e Justus Mais e Tudo é Possível (Rede Record). Em 2009, concorreu a uma vaga de oitavo integrante no programa Custe o Que Custar (CQC) da Band, ficando em segundo lugar. No mesmo ano, Carol co-escreveu e participou do teatral Variedades Variadas em São Paulo.

Foi contratada da emissora de rádio Transamérica em 2009 para integrar o time de apresentadores do Transalouca com Fuzil, Rodrigo Pizcionery e o também humorista Gavião. Neste mesmo ano, atuou ao lado de Andréa Barretto na peça 50 Minutos, sendo a responsável pelo roteiro e direção de Nany People. Ficaram em cartaz no Teatro Commune em São Paulo e participaram do Festival de Curitiba em 2010. Participou da peça Mãos ao Alto São Paulo dirigida por Fernando Ceylão.

Ainda em 2010, passou a fazer parte do time de roteirizadores do programa da Band, É Tudo Improviso. Na Band, foi roteirista e atriz do programa The Porangaba Show, que virou um site no Band.com.br em 2011, onde escrevia esquetes com Marcela Leal. Neste mesmo ano, frequentou a École Nationale de l’Humour e na Ligue Nationale d’Improvisation, ambas em Montreal (Canadá).

Participou dos maiores espetáculos de comédia stand-up do Brasil: Clube da Comédia, Comédia ao Vivo, Seleção do Humor Stand-up e Comedians Comedy Club, em São Paulo e como Comédia em Pé, no Rio de Janeiro.

Apresentou seu espetáculo solo de comédia stand-up Não tô aqui pra julgar em Curitiba, São Paulo, Brasília e Montreal. Realizou apresentações internacionais em português na cidade do Porto, em francês em Montreal e em português para a comunidade brasileira em Londres e Montreal.

Foi co-escritora do livro Rock Suicídio junto com outros dezenove autores lançado pela editora Prumo em novembro de 2011. No mesmo ano começa a lecionar comédia stand-up na escola Casa do Humor, em São Paulo. Em janeiro de 2012, estreou o reality-show Amazônia, em que os participantes divididos em grupos tinham de se adaptar a região amazônica. Ela acabou desistindo da atração dias após alegando não ter condições físicas para permanecer no programa.

Escreveu o texto de introdução do livro Piadas Nerds da Verus Editora. No seu blog “BLOG ON MEDIUM”, escreve histórias pessoais, ficção e artigos cômicos. https://carolzoccoli.medium.com/

Em maio de 2012, estreou na RedeTV! o Saturday Night Live, fazendo parte do elenco e apresentando o jornal humorístico do programa. Em 2013, passou a estudar na Second City em Toronto (Canadá). Em 2015 ficou entre os oito finalistas do Jokenation, concurso que buscava um comediante para representar a região EUA e Canadá no Montreaux Comedy Festival (Suíça).

Foi roteirista colaboradora do talk show Ferdinando do Multishow,  apresentado pelo humorista Marcus Majella.

Atuou na peça Dance Animal, que misturava esquetes com dança e foram vencedores na categoria “Melhor Espetáculo” no Festival Fringe de Toronto em 2016. Carol criou e participou do Festival Mamacitas, o primeiro festival de comédia do Brasil, feito somente com e por mulheres, realizado em três edições: 2018, 2019 e uma versão pocket em Porto Alegre em 2020. A edição de 2019 teve 15 shows com mais de 100 comediantes de todo o país.

Carol não para e continua na arte de fazer rir, seja no Brasil ou exterior. Para acompanhar o trabalho da comediante, acesse seu site: https://www.carolzoccoli.com.br/

Legal Carol Zoccoli: https://smarturl.it/CarolZoccoli

Artigo anteriorCoréia do Norte dispara projétil não identificado em direção ao leste
Próximo artigoO isolamento da Ômicron será reduzido para contatos próximos
Sou a Cleo Oshiro, uma mineira que no ano de 2002 optou por viver no Japão com a família. Em 2010 a Revista GVK Internacional no Brasil, especializada em karaokê, me descobriu no Orkut e através da minha paixão pela música e karaokê, decidiram fazer uma matéria sobre minha vida aqui no Japão, afinal foi aqui na cidade de Kobe que ele surgiu e se espalhou pelo mundo. Com a repercussão da matéria, eles me convidaram para ser a Correspondente Internacional da revista no Japão e aceitei o desafio e não parei mais. Fui Colunista Social por 2 anos no Portal Mie/Japão, da Revista Baladas Internacional/ Suiça, na BDCiTV/EUA e na Revista Biografia/ Brasil, realizando entrevistas com várias personalidades do meio artístico. Minhas matérias são para divulgar o trabalho dos artistas, sem apelos sensacionalistas, mesmo porque meu foco é mostrar a imensidão de talentos espalhados pelo mundo sejam famosos ou não. Atualmente faço parte da equipe da Rádio Shiga, onde faço matérias artísticas e sou a idealizadora do programa musical The Best Of Brazilian Music em parceria com o Omote-san. O programa foi suspenso devido problemas interno, mas o tempo em que esteve no ar levava a música brasileira à outros países da Asia. O programa The Best Of Brazilian Music era apresentado em inglês pela DJ Shine Dory, uma filipina apaixonada pela MPB e Bossa Nova. A escolha pelo idioma foi para alcançar japoneses e estrangeiros que vivem no Japão, já que inglês é um idioma universal e os brasileiros já contavam com o acesso as informações dos artistas através das matérias publicadas por mim no site