Guto Brant lança clipe “Um Sopro”, uma reflexão sobre o tempo e nosso modo de vida

O cantor e compositor Guto Brant lançou, nesta quinta-feira (23) de setembro, o clipe de “Um Sopro”, música do EP “Pombália”, sobre a vida de excessos e de falta de tempo, que levamos, e que marcam também as últimas gerações, sempre à espera da sonhada revolução, que nunca chega! A animação produzida à distância dá plasticidade ao humor trágico dos versos.

“Quiero el sueño de la revolución”, vislumbra o cantautor mineiro Guto Brant no verso que encerra “Um Sopro”, single que abriu alas para a chegada de seu segundo EP, “Pombália”, em julho último, nas plataformas digitais.

“Trampo demais pra poder pagar coisas demais que eu nem sei usar direito / trampo demais / tempo demais / penso demais pra poder falar mas falo demais sem sequer pensar direto”, diz a letra, embalada por um clima retrô, que denuncia a incompatibilidade da vida humana com a sua natureza essencial — temática recorrente no EP — e alerta para a necessidade de uma revolução efetiva dos modos de viver.

“‘Um Sopro’ é uma música sobre a implacabilidade do tempo e nossa estúpida insistência em viver em função dos excessos”, explica Brant. “É uma canção autorreflexiva (e autocrítica) que evoca a onipresença do pensamento revolucionário em um cenário contraditório: estamos sedados mas raivosos”, complementa o artista, que encomendou o clipe em janeiro, logo após o lançamento da canção, a Andrei Oliveira e Vitor Meuren, da DOIDERA.TV.

Um sopro de animação
Era o auge da pandemia, e cada um se encontrava em um lugar diferente: Andrei em Salvador, Vitor em Londres e Guto em Belo Horizonte. “Seria a nossa primeira experiência trabalhando com ilustração e animação juntos, em algo profissional. Até então o Doidera.tv era só um projeto pessoal sem grandes expectativas. Aceitamos na hora, muito empolgados”, conta Vitor.

A ideia da repetição de tarefas e da prisão ao trabalho diário foi uma raquetada na cara da dupla, que se engasgava com um tijolo na garganta. “Estamos à deriva, presos em uma rotina preventiva e sem controle da situação. Enquanto isso, a gente bebe do suco de uma revolução que não acontece, mas se vende constantemente. Toda essa ideia da música fazia muito sentido para todos nós”, completa Andrei.

“Sinto que o vídeo traduz muito bem a narrativa da canção, desenhando (literalmente) a vida de ‘excesso e cansaço’ que ela denuncia, sem deixar de delinear de maneira sagaz o humor trágico que se esconde por trás dos versos”, diz Guto, satisfeito com o resultado, repleto de detalhes e surpresinhas – os chamados Easter Eggs.

Criado e realizado em tempo recorde, o corte final ficou pronto em abril. Porém, ainda atordoados por momentos de muita tristeza, os três preferiram respeitar um espaço maior de tempo. Por isso, o clipe chegou agora em setembro, soprando com fôlego novo a canção que aponta a estranha semelhança entre os desafios que ciclicamente voltam a assombrar as gerações.

Créditos das fotos: Instagram
Foto de destaque: Júlia Maia<
Guto Brant: EP “Pombália” | Instagram | YouTube | Selo ACABA

Belmira Comunicação: Monica Ramalho (21) 9.9163.0840 – monica@belmira.com.br / Rafael Millon (21) 9.8558.9849 – rafael@belmira.com.br

Instagram | Facebook

Da Redação by Cleo Oshiro

Artigo anteriorJapão fornecerá apoio linguístico para estudantes estrangeiros
Próximo artigoJá está a venda fone Bluetooth que realiza tradução simultânea e permite conversar em 40 idiomas por 12 horas
Sou a Cleo Oshiro, uma mineira que no ano de 2002 optou por viver no Japão com a família. Em 2010 a Revista GVK Internacional no Brasil, especializada em karaokê, me descobriu no Orkut e através da minha paixão pela música e karaokê, decidiram fazer uma matéria sobre minha vida aqui no Japão, afinal foi aqui na cidade de Kobe que ele surgiu e se espalhou pelo mundo. Com a repercussão da matéria, eles me convidaram para ser a Correspondente Internacional da revista no Japão e aceitei o desafio e não parei mais. Fui Colunista Social por 2 anos no Portal Mie/Japão, da Revista Baladas Internacional/ Suiça, na BDCiTV/EUA e na Revista Biografia/ Brasil, realizando entrevistas com várias personalidades do meio artístico. Minhas matérias são para divulgar o trabalho dos artistas, sem apelos sensacionalistas, mesmo porque meu foco é mostrar a imensidão de talentos espalhados pelo mundo sejam famosos ou não. Atualmente faço parte da equipe da Rádio Shiga, onde faço matérias artísticas e sou a idealizadora do programa musical The Best Of Brazilian Music em parceria com o Omote-san. O programa foi suspenso devido problemas interno, mas o tempo em que esteve no ar levava a música brasileira à outros países da Asia. O programa The Best Of Brazilian Music era apresentado em inglês pela DJ Shine Dory, uma filipina apaixonada pela MPB e Bossa Nova. A escolha pelo idioma foi para alcançar japoneses e estrangeiros que vivem no Japão, já que inglês é um idioma universal e os brasileiros já contavam com o acesso as informações dos artistas através das matérias publicadas por mim no site