12 C
Kóka
sexta-feira, 2024/03/01  7:35
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Região Norte do Brasil registra maior tremor de terra da história

Abalo sísmico, sentido no Acre e Amazonas, marca o maior terremoto já registrado no país. Profundidade do evento minimiza danos, e autoridades monitoram a situação.

Brasília, Brasil — 22 de janeiro de 2024 – A Região Norte do Brasil testemunhou neste sábado (20), o maior tremor de terra já registrado no país, marcado por um terremoto de magnitude 6,6 graus na Escala Richter. O evento sísmico, sentido no Acre e Amazonas, ocorreu às 18h31 no horário de Brasília, 16h31 no horário local, segundo informações do Serviço Geológico dos Estados Unidos.

Embora inicialmente tenha sido informado que o epicentro do terremoto estava próximo a Tarauacá, no Acre, coordenadas mais precisas indicam uma área isolada em Ipixuna, no Amazonas. Até o momento, não foram relatados danos significativos, uma vez que o abalo ocorreu a uma profundidade de 614,5 quilômetros, permitindo a dissipação eficiente da energia. Geólogos destacam que terremotos em tal profundidade geralmente não são percebidos pela população.

O Centro de Redes de Terremotos da China também registrou o evento, concordando com a magnitude de 6,6 graus, mas apontando uma profundidade ligeiramente maior, de 630 quilômetros.

A Rede Sismográfica Brasileira detectou o terremoto por volta das 20h do sábado, inicialmente informando uma magnitude de 6,5 graus e 628 quilômetros de profundidade. O grupo ressaltou que as características do tremor poderiam ser revisadas nas horas seguintes.

Segundo a Rede Sismográfica Brasileira, a região de fronteira entre Brasil e Peru é propensa a eventos sísmicos devido à subducção da Placa de Nazca sob a plataforma Sul-Americana. A profundidade considerável do terremoto contribuiu para atenuar sua intensidade.

Em 7 de junho de 2022, Tarauacá, Acre, já havia experimentado um terremoto de 6,5 graus, o segundo maior da história do país até então, sem causar vítimas ou danos materiais significativos.

A região próxima à Cordilheira dos Andes, conhecida por sua atividade sísmica, experimentou aproximadamente 96 terremotos nos últimos 45 anos, sem ocorrências graves, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

Até o momento, os governos do Acre e Amazonas, bem como as prefeituras de Tarauacá e Ipixuna, não emitiram comunicados. O episódio reacende discussões sobre a preparação para eventos sísmicos e destaca a importância do monitoramento constante nessas regiões propensas a atividades geológicas. O maior terremoto registrado anteriormente no Brasil ocorreu em 1955 na Serra do Tombador, Mato Grosso, com 6,2 graus na Escala Richter.