26.1 C
Kóka
terça-feira, 2024/05/28  12:05
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Brasil: Militantes de extrema esquerda barram feira israelense na Unicamp

Militantes de extrema esquerda impediram a realização da Feira de Universidades Israelenses, na segunda-feira 3, que ocorreria na Unicamp. O evento ocorreria no prédio da Comvest, no campus. A fachada do prédio chegou a ser pichada com a mensagem “Palestina Livre”. Fotos mostram pessoas vestindo camisetas do Partido Comunista Brasileiro.

Brasil: Militantes de extrema esquerda barram feira israelense na Unicamp

Militantes de extrema esquerda impediram a realização da Feira de Universidades Israelenses, na segunda-feira 3, que ocorreria na Unicamp. O evento ocorreria no prédio da Comvest, no campus. A fachada do prédio chegou a ser pichada com a mensagem “Palestina Livre”. Fotos mostram pessoas vestindo camisetas do Partido Comunista Brasileiro.

Em nota, a reitoria da Unicamp informou que o ato israelense não pôde ser realizado “por força de manifestações contrárias à sua ocorrência”. “A saída, com segurança, da equipe promotora do evento ocorreu após negociações com os representantes da manifestação”, comunicou a universidade. “A Unicamp ressalta que o direito à livre manifestação será garantido, desde que essas sejam realizadas de forma pacífica e desde que não haja o impedimento de atividades acadêmicas devidamente autorizadas pelas instâncias decisórias.”

Dias antes, a Federação Árabe Palestina do Brasil (Fepal) alegou ter pedido à Unicamp o cancelamento da feira. Segundo a Fepal, as universidades israelenses estão ligadas à “construção do regime de apartheid de Israel”.

A Unicamp, contudo, rebateu a Fepal. “Não recebemos nenhum documento oficial”, disse a Unicamp. “A universidade destaca que sua atuação sempre se pautou pelo pluralismo de ideias e pela defesa intransigente da democracia. Nesse contexto, abrigou, ao longo de sua existência, eventos promovidos por representantes de diferentes orientações ideológicas e/ou religiosas. Ademais, a Unicamp mantém parcerias com Estados, organismos e universidades, programas de acolhimento de refugiados e de grupos vulneráveis, bem como políticas de estímulo à promoção de direitos humanos.”