0.8 C
Kōnan
terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Indonésia em alerta após grupo terroristas ligado ao Daesh (isis) decapitar agricultor para “semear o terror”

As forças de segurança indonésias alertaram, nesta segunda-feira (30), sobre novos ataques terroristas, enquanto caçavam os remanescentes de um grupo pró-Daesh (Ísis) que matou quatro cristãos em Sulawesi, na região central da Indonésia.

Últimas Estatísticas do Coronavírus no Japão

Indonésia em alerta após grupo terroristas ligado ao Daesh (isis) decapitar agricultor para “semear o terror”

As forças de segurança indonésias alertaram, nesta segunda-feira (30), sobre novos ataques terroristas, enquanto caçavam os remanescentes de um grupo pró-Daesh (Ísis) que matou quatro cristãos em Sulawesi, na região central da Indonésia.

O ataque ocorreu durante o fim de semana, incluindo uma vítima que foi decapitada, em um esforço do grupo para “semear o terror” na sociedade.

Os assassinatos ocorreram no sábado (28),eforam realizados pelos Mujahideen da Indonésia Oriental, ou East Indonesia Mujahideen (MIT), um grupo terrorista baseado nas montanhas da regência vizinha Poso.

O líder do MIT, Ali Kalora, decapitou uma das vítimas como um ato de vingança contra a recente morte de dois de seus militantes, disse o Brigadeiro-General Farid Makhruf, comandante de uma força militar que abrangia Sulawesi Central.

Ali Kalora, leader of the East Indonesia Mujahideen terror group. Photo: Handout
Ali Kalora, líder do grupo terrorista Mujahideen da Indonésia Oriental

“A vítima, Yasa, foi decapitada em um assassinato testemunhado por sua esposa, que conseguiu escapar”, disse Farid, acrescentando que a cabeça do homem foi encontrada a cerca de 10 metros (32 pés) de seu corpo.

O MIT ficou conhecido por realizar ataques no final do ano, disse Farid. “Se não os caçarmos e os pararmos, isso vai causará medo entre as pessoas”.

Em dezembro de 2018, o grupo decapitou um aldeão da regência de Parigi Moutong, Central Sulawesi, e o colocou em uma ponte.

Mohamad Adhe Bhakti, diretor executivo do Centro de Estudos do Radicalismo e Deradicalização (PAKAR), disse que as últimas mortes mostraram que o MIT está ficando mais “brutal”.

“Observo que este é um assassinato com o maior número de vítimas em um ataque. Antes disso, o MIT geralmente atacava apenas uma ou duas pessoas”, disse Adhe.

Adhe disse que não foi a primeira vez que o MIT descia de sua base nas montanhas de Poso para matar civis. Anteriormente, eles tinham como alvo não apenas cristãos e hindus, mas também muçulmanos suspeitos de serem “informantes”.

Burnt homes in a remote village in Sigi regency, Central Sulawesi, seen on Saturday. Photo: Handout
Casas queimadas em uma aldeia remota na regência de Sigi, Central Sulawesi, vista no sábado

Poso tem sido uma zona jihadista, tanto para extremistas locais quanto estrangeiros, que desejam fazer jihad e se submeter a treinamento para-militar.

De acordo com uma fonte da polícia indonésia, muitos moradores locais tentaram ” chegar até Poso”, mas foram presos.

“Eu não tenho o número exato, mas nós prendemos vários deles”, disse a fonte da polícia sob condição de anonimato.

As quatro vítimas do MIT eram agricultores de uma área pobre em Sigi, com apenas 10 casas de madeira, das quais seis foram queimadas. Entre as estruturas destruídas estava um posto avançado que era utilizado para orações.

Embora a mídia local tivesse especulado que o ataque tivesse motivação religiosa, foi mais provável que os militantes tivessem pretendido “semear o terror na sociedade”, disse Farid.

“Nenhuma igreja foi queimada, como noticiado por algumas mídias locais. Esta matança não tinha como alvo os cristãos”, disse ele. “As vítimas foram muito infelizes. Os militantes, provavelmente, estavam à procura de alimentos e tropeçaram nos aldeões e, por ser muito remoto, isso os tornou alvos fáceis”.

Os comentários de Farid foram reiterados pelo Conselho indonésio de Igrejas, que disse que os assassinatos eram dirigidos a “todos” na sociedade.

“Não são apenas os cristãos em Sigi que têm medo. Este ataque terrorista tem perturbado a vida de todas as pessoas da sociedade”, disse o pastor Gomar Gultom, chefe do conselho. “Como tal, peço que o público e a imprensa não restrinjam isto a um problema religioso, ainda mais chamar isto de uma perseguição aos cristãos”.

Durante o fim de semana, o Exército de Salvação confirmou que as vítimas eram membros da organização.

Em uma declaração publicada em seu site, ele disse que estava anunciando “com grande tristeza” que um ataque ao Posto Avançado Lewono Lembantongoa havia “ceifado a vida de quatro membros”, pedindo a seus seguidores que rezassem pelas vítimas.

An aerial view of the remote village in Sigi regency. Photo: Handout
Vista aérea da aldeia na remota regência de Sigi

O MIT foi o primeiro grupo terrorista indonésio a jurar fidelidade ao Ísis sob seu antigo líder Santoso, que foi morto pelas forças de segurança em 2016.

No início deste mês, dois dos membros do grupo foram mortos a tiros na Operação Tinombala, um ataque militar e policial conjunto que foi ordenado pelo Presidente Joko Widodo há quatro anos. Desde então, a operação foi prorrogada várias vezes.

Estima-se que o grupo tenha 11 membros, incluindo o atual líder Ali. Apesar de uma enorme caçada humana, eles conseguiram escapar da prisão.

Farid disse que Ali era um ex-lenhador com poucas habilidades de combate. “Sua única vantagem é que ele conhece bem as selvas e se esconde nelas”.

O MIT é suspeito de ter o apoio de alguns aldeões locais simpatizantes de sua causa.

“Há alguns segmentos da sociedade que acreditam em sua ideologia, lhes dão comida e os alimentam com informações sobre onde a polícia e os militares estão operando”, disse ele.

O analista Adhe do PAKAR disse que a pandemia do coronavírus chinês estava dificultando as viagens para Poso para os militantes. Além disso, a atual “zona de escolha da jihad” é o sul das Filipinas, disse ele.

Police inspect the site of the attack on Saturday. Photo: Handout/AFP
A polícia inspeciona o local do ataque no sábado

De acordo com um relatório do Institute for Policy Analysis of Conflict (IPAC) divulgado em abril, o MIT era “extremamente simbólico ao movimento extremista violento”, e havia passado a cometer violência comunitária para difundir o terrorismo local.

Sua base era o único lugar na Indonésia onde “os extremistas poderiam reivindicar claramente o controle do território, mesmo que apenas um ou dois acampamentos na selva, e manter uma jihad ativa”, disse o IPAC.

Em 2015, seis Uygurs viajaram para Poso regency, para treinamento paramilitar e se tornaram membros do MIT. Todos foram mortos pelas forças de segurança indonésias por volta de 2016.

Os seis participaram de atos de terrorismo em torno de Poso, incluindo o assassinato de dois agricultores, em setembro de 2015, noticiou a mídia local.

SourceSCMP

Artigos relacionados

Mais de 80 mortos em violência tribal no Sudão

Mais de 80 mortos em violência tribal no Sudão A violência tribal em Darfur Ocidental, Sudão, deixou pelo menos 83 pessoas mortas e 160 feridos. Um...

Comércio entre a China e a Coréia caiu 80% no ano passado

Comércio entre a China e a Coréia caiu 80% no ano passado O comércio da China com a Coréia do Norte despencou no ano passado,...

Admissões de infectados pelo coronavírus chinês no Reino Unido bate recordes

Admissões de infectados pelo coronavírus chinês no Reino Unido bate recordes A Grã-Bretanha relatou um declínio nas novas infecções diárias pelo vírus chinês, embora o...

ÁSIA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS - BRASIL

Profissionais de transportes entram no grupo prioritário da vacinação

0
Profissionais de transportes entram no grupo prioritário da vacinação Os profissionais do setor de transportes foram incluídos no grupo prioritário para receber a vacina contra...
Translate »