12.8 C
Kōnan
sábado, 31 de outubro de 2020

Brasil: Bolsonaro promete anúncio de novo ministro da Educação nesta sexta

O presidente Jair Bolsonaro deve anunciar o novo ministro da Educação nesta sexta-feira (10). O cargo está vago desde a semana passada, quando a nomeação de Carlos Alberto Decotelli foi revogada, sem que ele tivesse tomado posse, depois de uma série de inconsistências curriculares terem vindo à tona. O perfil desejado pelo presidente é de um pessoa "conciliadora" e que "promova o diálogo".

Estatística COVID19 - Coronavírus

Total Global
Última atualização em:
Casos

Mortes

Recuperados

Active

Casos Today

Mortes Today

Critical

Affected Countries

França inicia segundo lockdown nacional

França inicia segundo lockdown nacional A França iniciou um segundo bloqueio (lockdown) nacional nesta sexta-feira (30), para impedir a propagação do coronavírus chinês. O Primeiro Ministro,...

França reforça alerta de segurança contra terroristas após ataque em Nice

França reforça alerta de segurança contra terroristas após ataque em Nice Na França, um terrorista empunhando uma faca matou três pessoas na cidade do sul...

Tóquio aumentará a capacidade de testes do coronavírus chinês para 60 mil por dia

Tóquio aumentará a capacidade de testes do coronavírus chinês para 60 mil por dia Segundo a NHK, o governo metropolitano de Tóquio está planejando um...

Macron classifica assassinatos em Nice de “terrorismo islâmico”

Macron classifica assassinatos em Nice de "terrorismo islâmico" O presidente francês, Emmanuel Macron, descreveu o ataque a faca ocorrido na quinta-feira (29), em uma igreja...

EUA e Indonésia fortalecem laços no Mar do Sul da China

EUA e Indonésia fortalecem laços no Mar do Sul da China Estados Unidos e a Indonésia concordaram em trabalhar conjuntamente no desenvolvimento das ilhas indonésias...

Brasil: Bolsonaro promete anúncio de novo ministro da Educação nesta sexta

O presidente Jair Bolsonaro deve anunciar o novo ministro da Educação nesta sexta-feira (10). O cargo está vago desde a semana passada, quando a nomeação de Carlos Alberto Decotelli foi revogada, sem que ele tivesse tomado posse, depois de uma série de inconsistências curriculares terem vindo à tona. O perfil desejado pelo presidente é de um pessoa “conciliadora” e que “promova o diálogo”.

“Temos que ter uma pessoa que promova o diálogo, o que não é fácil, com todas as esferas da educação. Essa é nossa vontade, ter uma pessoa lá [que seja] conciliadora”, afirmou durante a live semanal, transmitida pelas redes sociais. Segundo o presidente, ele manteve conversa com “cinco ou seis” candidatos, nos últimos dias. “Então, a gente espera amanhã resolver essa questão aí do Ministério da Educação, que é um ministério muito importante”, acrescentou. O novo ministro da Educação será o quarto no cargo desde o início do governo, em 2019.

Vetos a indígenas
Durante a live, Bolsonaro afirmou que não há recursos disponíveis para medidas de prevenção à disseminação do novo coronavírus voltadas à indígenas, quilombolas, pescadores artesanais e comunidades tradicionais e que por isso vetou alguns dispositivos da Lei nº 14.021/2020, sancionada por ele ontem (8).

O texto cria o Plano Emergencial para Enfrentamento à Covid-19 nos Territórios Indígenas, coordenado pela União, para assegurar o acesso às ações e aos serviços de prevenção e tratamento de covid-19, com a participação efetiva dos povos indígenas por meio de suas entidades representativas.

“Quando o Congresso apresenta um projeto e ele cria despesa para nós, ele precisa dizer onde está a fonte de recursos. Tinha artigos que mandava eu fornecer EPIs [equipamentos de proteção individual] para quilombolas, comunidades indígenas, um montão de categorias, vamos assim dizer, que não tem recurso para isso. Agora, se eu sancionar, nós temos a obrigação de cumprir. E, se não tem recurso, vai arranjar dinheiro de onde? É uma lei completamente inócua. Agora, se o Congresso quiser derrubar o veto, o Parlamento pode derrubar o veto. Se for o caso, a gente entra na Justiça arguindo inconstitucionalidade ou inadequação financeira”, afirmou.

Ao todo, o presidente da República vetou 16 dispositivos da medida aprovada no Congresso Nacional no mês passado. Entre os trechos vetados está o que garantia o acesso à água potável e distribuição gratuita de materiais de higiene, de limpeza e de desinfecção para as comunidades indígenas. Pela nova lei, será ofertado acompanhamento diferenciado nos casos de média e alta complexidade, nos centros urbanos, com a construção de hospitais de campanha nos municípios próximos às aldeias, contratação emergencial de profissionais de saúde e disponibilização de ambulâncias para transporte, seja fluvial, terrestre ou aéreo.

O presidente, entretanto, vetou a oferta emergencial de leitos hospitalares e de unidade de terapia intensiva (UTI) aos indígenas e aquisição de ventiladores e de máquinas de oxigenação sanguínea.

Artigos relacionados

Rio não terá desfile de blocos de rua no carnaval de 2021

Rio não terá desfile de blocos de rua no carnaval de 2021 Não haverá carnaval dos blocos de rua do Rio de Janeiro em 2021....

Covid-19 Brasil: 5.468.270 casos confirmado, 4.934.548 recuperados, 158.456 óbitos e 375.266 em recuperação

Covid-19 Brasil: 5.468.270 casos confirmado, 4.934.548 recuperados, 158.456 óbitos e 375.266 em recuperação As mortes decorrentes da pandemia do novo coronavírus chegaram a 158.969, de...

Brasileira é confirmada entre as vítimas do atentado à basílica de Nice, na França

Brasileira é confirmada entre as vítimas do atentado à basílica de Nice, na França Simone Barreto Silva, nascida em Salvador (BA), tinha 44 anos e...

ÁSIA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS - BRASIL

Rio não terá desfile de blocos de rua no carnaval de...

0
Rio não terá desfile de blocos de rua no carnaval de 2021 Não haverá carnaval dos blocos de rua do Rio de Janeiro em 2021....
Translate »