11.7 C
Kōnan
terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Brasil: vazamento é a maior agressão ambiental do país, avalia Petrobras

O vazamento de óleo que tem sido retirado do litoral do Nordeste é a maior agressão ambiental já sofrida pelo Brasil em sua história, disse nesta terça-feira (29), no Rio de Janeiro, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. Ele participou de um seminário da Fundação Getulio Vargas (FGV) sobre a matriz energética brasileira e comentou o desastre ambiental.

Estatística COVID19 - Coronavírus

Total Global
Última atualização em:
Casos

Mortes

Recuperados

Active

Casos Today

Mortes Today

Critical

Affected Countries

Indonésia em alerta após grupo terroristas ligado ao Daesh (isis) decapitar agricultor para “semear o terror”

Indonésia em alerta após grupo terroristas ligado ao Daesh (isis) decapitar agricultor para "semear o terror" As forças de segurança indonésias alertaram, nesta segunda-feira (30),...

Tóquio confirma 372 novos casos de infecção por coronavírus chinês nesta terça-feira (1º)

Tóquio confirma 372 novos casos de infecção por coronavírus chinês nesta terça-feira (1º) O governo metropolitano de Tóquio confirmou 372 novos casos de infecção por...

Apropriação cultural: China diz que kimchi é de origem chinesa

Apropriação cultural: China diz que kimchi é de origem chinesa Uma batalha on-line está esquentando sobre as origens do Kimchi, um prato de acelga fermentada...

Princesa Aiko do Japão faz aniversário de 19 anos

Princesa Aiko do Japão faz aniversário de 19 anos A princesa Aiko, filha do Imperador e Imperatriz do Japão, completa 19 anos nesta terça-feira (1º). A...

Reino Unido junta-se à NEC para testes de 5G

Reino Unido junta-se à NEC para testes de 5G Autoridades do governo britânico informam que se unirão ao fabricante japonês de eletrônicos NEC em uma...

Brasil: vazamento é a maior agressão ambiental do país, avalia Petrobras

O vazamento de óleo que tem sido retirado do litoral do Nordeste é a maior agressão ambiental já sofrida pelo Brasil em sua história, disse nesta terça-feira (29), no Rio de Janeiro, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. Ele participou de um seminário da Fundação Getulio Vargas (FGV) sobre a matriz energética brasileira e comentou o desastre ambiental.

“[O vazamento] é maior agressão ambiental sofrida por nosso país, creio eu, em nossa história”, disse. Afirmou que o assunto tem sido abordado de forma “politizada e ideologizada”, com “versões falsas” sobre o que poderia ter sido feito.

“Na realidade, era impossível combater isso na origem. As empresas de petróleo e a Petrobras estão preparadas para combater vazamentos de petróleo, uma vez identificada a fonte do vazamento”, afirmou.

Castello Branco comparou a quantidade de óleo retirada das praias ao desastre ambiental no Golfo do México, em que o vazamento partiu da petrolífera British Petroleum (BP). “É semelhante”, disse.

Ainda não se sabe de onde vazou o óleo que atinge as praias nordestinas, mas pesquisadores já apontaram que o vazamento ocorreu no oceano, em uma área entre 600 e 700 quilômetros de distância da divisa entre Sergipe e Alagoas. Uma das hipóteses é que o óleo foi extraído de três campos na Venezuela e, provavelmente, estava sendo transportado quando ocorreu o acidente.

Leilões
O presidente da Petrobras afirmou, ainda, que o setor petrolífero vive um “ano extraordinário” no país e avaliou que o leilão de excedentes da cessão onerosa, marcado para semana que vem, é uma vitória do governo.

“A demanda global por petróleo tende a crescer lentamente, quem sabe estagnar e, no futuro, reduzir. Não podemos esperar e deixar o petróleo no fundo do mar”, defendeu ele.

A seguir, disse que, por uma questão de priorizar os ativos de maior retorno, a Petrobras manifestou preferência por apenas dois campos, os de Itapu e Búzios, este o maior já descoberto no Brasil. Ele disse que a estatal está otimista com o resultado. “Vamos com entusiasmo para ganhar”.

Eleição argentina
O presidente da Petrobras também comentou o resultado da eleição presidencial na Argentina durante sua palestra de hoje. Foram eleitos o presidente Alberto Fernandez e a vice Cristina Kirchner, em uma disputa em que o principal adversário era o atual presidente, Maurício Macri.

Ao fazer uma comparação com propostas legislativas para regular novamente percentuais mínimos de conteúdo local para a indústria de petróleo, Castello Branco classificou de “erro” a eleição de alguém que, na visão dele, provocou os problemas vividos pelo país vizinho.

“Não podemos repetir a Argentina, onde se tira um presidente que não consegue se eleger porque não conseguiu solucionar os problemas. Aí, você traz de volta alguém que provocou os problemas. Esse é claramente um erro”, finalizou.

Artigos relacionados

Bolsonaro e Fernández, da Argentina, têm primeira reunião bilateral

Bolsonaro e Fernández, da Argentina, têm primeira reunião bilateral O presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Argentina, Alberto Fernández, tiveram na manhã desta segunda-feira...

Inca recebe doação da Touca Inglesa, tecnologia usada em quimioterapia

Inca recebe doação da Touca Inglesa, tecnologia usada em quimioterapia Uma tecnologia desenvolvida na década de 90 pelo cervejeiro inglês Glenn Paxman para a mulher...

Um dia após eleição estado de SP regride para Fase Amarela

Um dia após eleição estado de SP regride para Fase Amarela O governo de São Paulo anunciou nesta segunda-feira (30), a regressão de todo o...

ÁSIA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS - BRASIL

Bolsonaro e Fernández, da Argentina, têm primeira reunião bilateral

0
Bolsonaro e Fernández, da Argentina, têm primeira reunião bilateral O presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Argentina, Alberto Fernández, tiveram na manhã desta segunda-feira...
Translate »