27 C
Kóka
terça-feira, 2024/05/28  1:09
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

China poderá invadir ilhas no Mar Oeste das Filipinas

China poderá invadir ilhas no Mar Oeste das Filipinas. Notícias fornecidas pelo site estatal da China informam que Pequim provavelmente invadirá uma ilha no Mar da China Meridional. 

O artigo original foi apresentado no site qianzhan.com sob o título “Um forte e repentino ataque do exército chinês recuperará a ilha Zhongye (Ilhas Spratley) pela força” que o China Daily Mail traduziu.

Porque isso deverá acontecer, explica o tradutor do texto:

A ilha Zhongye (Ilhas Spratley, que estão em disputa com as Filipinas), a segunda maior entre o conjunto de ilhas conhecido como Ilhas Spratley, no Mar da China Meridional, tem uma área de 0,33 km², e possui grande importância estratégica para a China, que pretende controlar uma vasta área do Mar da China, afirmando serem suas águas territoriais.

A ilha fica localizada na região central da área e se a China construir as bases naval e aérea facilitará o seu controle do espaço aéreo e marítimo.

A ilha Taiping, a maior ilha do arquipélago e única com água potável entre elas, seria uma escolha melhor, porém, é controlada por Taiwan, que mantém ali seu aeroporto, e não há, até agora, qualquer perspectiva de reunificação entre a China continental e Taiwan; portanto, tomar a ilha Zhongye das Filipinas é a principal prioridade da China no momento.

As Filipinas pediram ao Tribunal Internacional de Justiça, principal órgão judiciário da Organização das Nações Unidas (ONU), para declarar como inválidas as reivindicações da China para praticamente todas as áreas do Mar do Sul da China, alegando que as ações de Pequim têm violado os direitos de outras nações e danificado de forma irreversível os recifes de corais.

O ministro de Relações Exteriores, Albert del Rosario, disse ao Tribunal, com sede em Haia, Holanda, que a estratégia da China era ter, gradualmente, o controle de toda a extensão das águas sem provocar uma crise.

O Tribunal iniciou audiências para analisar a tese de que o organismo de arbitragem da China não tem autoridade para assumir jurisdição das áreas. Pequim afirma que possui as áreas por razões históricas e quer negociações ao invés de um único julgamento.

Japão, Vietnã, Malásia, que estão totalmente em desacordo com a China, enviaram observadores para as audiências.

Videos liberados pelo governo filipino sobre as Ilhas Spratley:

Da Redação