Pompeo diz que cúpula de Trump e Kim acontecerá em fevereiro na Ásia

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse nesta quarta-feira (30) que está enviando uma equipe para que os preparativos para a próxima cúpula entre o presidente Donald Trump e o ditador norte-coreano Kim Jong-un seja realizada em algum lugar da Ásia, no final de fevereiro.

Image © (Ditador norte-coreano, Kim Jong-un e presidente dos EUA, Donald Trump / Reprodução / via Agência Sputnik) Feb/2019

Pompeo diz que cúpula de Trump e Kim acontecerá em fevereiro na Ásia.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse nesta quarta-feira (30) que está enviando uma equipe para que os preparativos para a próxima cúpula entre o presidente Donald Trump e o ditador norte-coreano Kim Jong-un seja realizada em algum lugar da Ásia, no final de fevereiro.

Em entrevista à Fox News Channel, Pompeo disse que os norte-coreanos concordaram que a segunda cúpula entre os dois líderes será realizada no final de fevereiro.

“Faremos isso em algum lugar da Ásia”, disse ele. “Estou enviando uma equipe para lá. Eles estão caminhando dessa maneira agora para estabelecer as bases para o que espero seja um passo adicional substancial rumo ao caminho não apenas para a desnuclearização da península, mas para um futuro mais brilhante para o povo norte-coreano.”

Pompeo não citou o local da cúpula. O Vietnã disse, na semana passada, que não havia sido informado sobre qualquer momento ou local para uma possível cúpula de Trump-Kim, mas que estava confiante em sua capacidade de sediar tal reunião.

Autoridades e diplomatas disseram há duas semanas que o Vietnã estava ansioso para sediar a cúpula e duas fontes disseram à Reuters que Hanói estava se preparando para receber Kim em uma visita de Estado.

Cingapura, onde Trump e Kim se encontraram em junho, e Bangkok também foram citados como possibilidades para a cúpula.

A cúpula de junho passado — a primeira entre um presidente americano durante seu mandato e um líder norte-coreano — produziu um vago compromisso de Kim em trabalhar para a desnuclearização da península coreana, mas ainda precisa tomar o que Washington considera como medidas concretas nessa direção.