30.6 C
Kōnan
segunda-feira, 10 de agosto de 2020

Cristãos enfrentam “genocídio” na maior nação africana

Facções muçulmanas na Nigéria estão realizando um verdadeiro "banho de sangue genocida" na maior nação da África, o que é alarmante para "aqueles como nós que rastreiam as violações da liberdade religiosa", escreve Lela Gilbert, do Instituto Hudson.

Estatística COVID19 - Coronavírus

Total Global
Última atualização em:
Casos

Mortes

Recuperados

Active

Casos Today

Mortes Today

Critical

Affected Countries

Coronavírus chinês prejudica as viagens de verão no Japão

Coronavírus chinês prejudica as viagens de verão no Japão O número de pessoas usando transporte público no Japão é muito menor do que o normal...

Polícia de Hong Kong prende fundados de jornal anti-Pequim

Polícia de Hong Kong prende fundados de jornal anti-Pequim A polícia de Hong Kong prendeu o fundador de um jornal crítico de Pequim e outras...

Atenção com forte calor e tempestades tropicais

Atenção com forte calor e tempestades tropicais O forte calor continuou no Japão nesta segunda-feira (10), com temperaturas máximas de 38 graus Celsius em algumas...

Secretário de Saúde dos EUA encontra com presidente de Taiwan em Taipei

Secretário de Saúde dos EUA encontra com presidente de Taiwan em Taipei O Secretário de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, Alex Azar, manteve conversações...

Bolsonaro convida Temer para chefiar missão humanitária no Líbano

Bolsonaro convida Temer para chefiar missão humanitária no Líbano O presidente Jair Bolsonaro participou, na manhã deste domingo (9), de uma videoconferência com outros chefes de Estado...

Cristãos enfrentam “genocídio” na maior nação africana

Facções muçulmanas na Nigéria estão realizando um verdadeiro “banho de sangue genocida” na maior nação da África, o que é alarmante para “aqueles como nós que rastreiam as violações da liberdade religiosa”, escreve Lela Gilbert, do Instituto Hudson.

Escrevendo para o “Conselho de Pesquisa Familiar” baseado em Washington, ela disse que “parece cada vez mais claro que outro genocídio já está ocorrendo”.

“Nós sabemos o que aconteceu em Ruanda. Vimos o que o ISIS fez no Iraque. E, nas últimas décadas, dezenas de milhares de nigerianos foram massacrados. No entanto, suas histórias raramente aparecem nas principais notícias ocidentais, enquanto praticamente nada está sendo feito para deter a violência”, escreveu Gilbert, que trabalha com o Centro para a Liberdade Religiosa do Instituto Hudson e também com o Centro para o Islã, a Democracia e o Futuro do Mundo Muçulmano.

Gilbert explicou que duas facções muçulmanas são, em grande parte, responsáveis pela violência, o grupo terrorista Boko Haram e os chamados pastores Fulani.

A Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos Estados Unidos, ou United States Commission on International Religious Freedom – USCIRF denunciou esta semana os ataques ” condenáveis” de uma facção de Boko Haram chamada ISWAP contra civis inocentes.

A vice-presidente da USCIRF, Anurima Bhargava, disse que centenas de pessoas morreram nas últimas semanas, pois a ISWAP “continua a infligir terror e a atacar civis com base em suas crenças”.

” Nós condenamos esta violência deplorável”, disse ela.

Em um ataque este mês, “suspeitos do ISWAP mataram 81 pessoas quando atacaram a aldeia de Foduma Kolomaiya no nordeste da Nigéria”. A ISWAP reivindicou, também, a responsabilidade por ataques de duplos que mataram 20 soldados e mais de 40 civis no Estado de Borno em 13 de junho”.

O Boko Haram continua a manter prisioneira Leah Sharibu, “uma adolescente cristã escravizada que se recusou a negar sua fé”, disse ela.

Gilbert disse que a violência dos pastores Fulani foi inicialmente atribuída a tentativas de confiscar terras de pastagem para seus animais.

“Entretanto, devido às evidências cada vez maiores de carnificina, brutalidade ultrajante e gritos de allahu akbar, as intenções jihadi dos Fulanis foram claramente expostas”.

Histórias de atrocidades aparecem “semana após semana”, escreveu Gilbert.

“Normalmente os assassinos são identificados, mas nem sempre. E infelizmente, também ninguém sabe realmente o número exato de vítimas da Nigéria, graças a valas comuns, vilarejos incendiados, resquícios caóticos e desaparecimentos. Ainda assim, os números que vimos são horripilantes”.

Ela disse que o presidente Trump levantou o problema com o presidente nigeriano Muhammadu Buhari.

Mas não houve nenhuma melhoria.

“Enquanto observamos e esperamos, precisamos também rezar fervorosamente por uma intervenção espiritual”, escreveu Gilbert. “Porque quanto mais tempo passa, mais profunda a escuridão cresce, e ameaça dizimar os cristãos da Nigéria”.

SourceWND

Artigos relacionados

Polícia de Hong Kong prende fundados de jornal anti-Pequim

Polícia de Hong Kong prende fundados de jornal anti-Pequim A polícia de Hong Kong prendeu o fundador de um jornal crítico de Pequim e outras...

Secretário de Saúde dos EUA encontra com presidente de Taiwan em Taipei

Secretário de Saúde dos EUA encontra com presidente de Taiwan em Taipei O Secretário de Saúde e Serviços Humanos dos EUA, Alex Azar, manteve conversações...

Bolsonaro convida Temer para chefiar missão humanitária no Líbano

Bolsonaro convida Temer para chefiar missão humanitária no Líbano O presidente Jair Bolsonaro participou, na manhã deste domingo (9), de uma videoconferência com outros chefes de Estado...

ÁSIA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS - BRASIL

Bolsonaro convida Temer para chefiar missão humanitária no Líbano

0
Bolsonaro convida Temer para chefiar missão humanitária no Líbano O presidente Jair Bolsonaro participou, na manhã deste domingo (9), de uma videoconferência com outros chefes de Estado...
Translate »