Evacuação em massa com a piora dos incêndios devastadores na Austrália

Mais de 6 milhões de hectares queimados, pelo menos 23 mortos e dezenas de desaparecidos, à medida que os incêndios assolam o sudeste da Austrália.

Image © (Imagem Referencial / via The Canberra Times) Jan/2019

Evacuação em massa com a piora dos incêndios devastadores na Austrália

Mais de 6 milhões de hectares queimados, pelo menos 23 mortos e dezenas de desaparecidos, à medida que os incêndios assolam o sudeste da Austrália.

Os incêndios continuam a devastar o sudeste da Austrália, com um calor e seca sem precedentes, levando a mais de 200 frentes de incêndios em vários estados.

As condições catastróficas causadas pelos incêndios viram a maior evacuação do país em tempo de paz acontecer nesta sexta-feira (3), enquanto as cidades se preparavam para o pior.

Com ventos fortes e temperaturas de mais de 45º Celsius em grande parte da região, mais de 100.000 residentes foram para áreas de evacuação nos três estados mais afetados de Nova Gales do Sul (New South Wales – NSW), Victoria e Austrália do Sul.

Tanto os habitantes locais como os turistas foram fortemente incentivados a evacuar pelas autoridades, ou ficaram presos quando o acesso e as rotas de abastecimento foram cortadas pelo fogo.

Doze avisos de emergência foram emitidos em NSW e 13 em Victoria, e tempestades geradas pelo fogo foram geradas em múltiplos locais.

Os incêndios já queimaram mais de 6 milhões de hectares de terra, o equivalente a uma área duas vezes maior do que a da Bélgica ou da maior parte da Irlanda.

Pelo menos 23 pessoas morreram, outras dezenas estão desaparecidas e pelo menos 1.300 casas foram destruídas. Estima-se que meio bilhão de animais, incluindo animais selvagens nativos e animais de fazenda, morreram.

Cidades na costa sul de NSW foram apanhadas de surpresa na noite de Ano Novo, quando um enorme incêndio se deslocou subitamente para leste durante a noite.

No sábado, as estradas estavam calmas e os centros das cidades desertas, mas foram colocados caixotes de reciclagem com tampa amarela fora das casas, para indicar onde os residentes estavam hospedados para combater as chamas e detectar incêndios.

This handout photo taken on January 4, 2020 and received from the Australian Department of Defence shows evacuees (C) disembarking from MV Sycamore at Bluescope Wharf in Hastings, Victoria state. Up t
Até 3.000 reservistas militares foram chamados para enfrentar a implacável crise de incêndios florestais na Austrália neste sábado (4), quando dezenas de milhares de residentes fugiram de suas casas em meio a condições catastróficas.

Mais de 20 novos focos de incêndio surgiram na costa sul de NSW, entre Batemans Bay e Nowra, no meio da tarde, com chamas que atingiram mais de 40 metros de altura.

Milhares de habitantes locais refugiaram-se nos centros de evacuação e na praia, pois foram emitidos avisos “demasiado tarde para sair” para múltiplas áreas. As telecomunicações e a eletricidade permanecem desligadas em muitas das pequenas cidades ao longo da costa.

Os moradores de Canberra, Julie e Jim Stuart deixaram sua casa de férias em Mossy Point, logo ao sul de Batemans Bay, após dias de preparação.

“A nossa casa fica na falésia de Mossy Point”, disse Julie Stuart à Al Jazeera. “Se tivéssemos ficado, a única rota de fuga teria sido por cima do penhasco.”

“Com a altura das chamas e sua ferocidade, não há como proteger nossa área, se necessário”, disse ela. Seu marido tinha, inicialmente, querido ficar, mas reconsiderou depois que as autoridades os avisaram que Mossy Point provavelmente “desapareceria”.

Em Victoria, mais de 1.100 pessoas e 115 animais de estimação foram evacuados por dois navios da Marinha australiana da cidade de Gippsland, Mallacoota.

Eles chegaram a Hastings, perto de Melbourne, depois de navegarem por 16 horas. Mais de 4.000 pessoas ficaram isoladas em Mallacoota desde que uma enorme frente de fogo foi varrida na noite de segunda-feira, quando foram forçadas a se abrigar das chamas no cais e na praia da cidade.

“É uma deslocamento em massa, de uma natureza completamente sem precedentes na história de Gippsland”, disse o deputado local, Darren Chester.

Em Camberra, capital do país, a temperatura atingiu 43,6 graus Celsius no centro da cidade no sábado, quebrando recordes anteriores de 1968 e 1969.

Em um dos poucos pontos positivos encontrados, a qualidade do ar melhorou após dois dias da pior poluição do mundo, segundo a AirVisual.

A fumaça dos incêndios florestais nas proximidades tinha sido tão ruim que as máquinas de ressonância magnética do Hospital de Canberra ficaram inutilizáveis e o Australia Post parou as entregas.

As lojas de ferragens e farmácias esgotaram as máscaras de proteção, os supermercados da periferia da capital ficaram sem comida e água enquanto os locais se preparavam para o pior, temendo uma repetição dos devastadores incêndios florestais de 2003.

Na vizinha Snowy Mountains, também designada como região de evacuação, as estações de esqui se voltaram para suas máquinas de neve para proteger a infra-estrutura.

As equipes de bombeiros foram retiradas, no meio da tarde, de várias áreas das montanhas nevadas, quando rajadas de vento de até 60km/h começaram a empurrar os incêndios rapidamente para a frente. A eletricidade foi afetada na região quando o incêndio derrubou duas subestações elétricas pouco antes das 18 horas.