Universidades de Hong Kong dizem a não-estudantes para saírem à medida que as manifestações se aproximam do campus

O reitor da Universidade Chinesa de Hong Kong, que os manifestantes anti-governo transformaram em uma fortaleza repleta de bombas de gasolina, arcos e flechas, ameaçou na sexta-feira (15 de novembro) chamar "assistência" a menos que todos os não-alunos saiam.

Image © (Alguns estudantes deixando a Universidade Chinesa de Hong Kong, em 15 de novembro, com o período escolar atual terminando mais cedo por causa da agitação política / Reprodução / via The Straits Times) Nov/2019

Universidades de Hong Kong dizem a não-estudantes para saírem à medida que as manifestações se aproximam do campus

O reitor da Universidade Chinesa de Hong Kong, que os manifestantes anti-governo transformaram em uma fortaleza repleta de bombas de gasolina, arcos e flechas, ameaçou na sexta-feira (15 de novembro) chamar “assistência” a menos que todos os não-alunos saiam.

O campus foi palco de violentos confrontos esta semana, com manifestantes pró-democracia lançando bombas de gasolina na polícia e em uma rodovia, que liga os Novos Territórios, em sua maioria rurais, à península de Kowloon, ao sul e à ilha de Hong Kong.

A rodovia Tolo foi parcialmente reaberta, mas o Túnel Cross-Harbour, fora da barricada da Universidade Politécnica, onde os manifestantes têm praticado suas habilidades com arcos e flechas e bombas de gasolina em uma piscina, permaneceu fechada.

Estudantes e manifestantes bloquearam pelo menos cinco campus após quatro dias de algumas das piores violências na antiga colônia britânica em décadas.

O reitor da Universidade Chinesa, Rocky Tuan, disse em uma carta aberta, que todos os não-estudantes devem sair.

“As universidades são lugares para estudar, não para resolver disputas políticas, ou mesmo um campo de batalha para criar armas e usar a força”, disse ele.

“Se a universidade não pode continuar a cumprir sua missão e tarefas básicas, devemos procurar a ajuda de departamentos governamentais relevantes para acabar com a crise atual.