Governo sul-mato-grossense reforça combate a incêndio no Pantanal

O incêndio que atinge, há 10 dias, os municípios de Miranda e Corumbá, em Mato Grosso do Sul, alastrou-se por uma área de cerca de 130 mil hectares. Segundo o governo do estado, há 2.228 focos de incêndio na região, dos quais 2.088 ficam na área do Pantanal.

Image © (Ocorrência chega ao 10º dia e abrange 130 mil hectares / Reprodução / via Agência Brasil) Nov/2019

Governo sul-mato-grossense reforça combate a incêndio no Pantanal

O incêndio que atinge, há 10 dias, os municípios de Miranda e Corumbá, em Mato Grosso do Sul, alastrou-se por uma área de cerca de 130 mil hectares. Segundo o governo do estado, há 2.228 focos de incêndio na região, dos quais 2.088 ficam na área do Pantanal.

O fogo se espalhou por dois importantes pontos para o Pantanal: o Parque Estadual do Pantanal do Rio Negro, considerado berço dos peixes do bioma, e uma parte da Serra do Amolar, que também abriga diversas espécies animais e vegetais.

De acordo com a assessoria de imprensa do governo estadual, as chamas também alcançaram o distrito de Forte Coimbra, erigido pelos portugueses no município de Corumbá, no século 18. Verifica-se ainda um possível foco de incêndio no Parque Estadual das Várzeas do Rio Ivinhema, que fica a aproximadamente 800 quilômetros de Corumbá.

Uma das primeiras ações articuladas pelas autoridades é o envio de três helicópteros e três aviões aos locais tomados pelo fogo. Para lidar com as queimadas, o governo montou uma sala de situação, para integrar o trabalho do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul), da Defesa Civil e da Polícia Militar Ambiental (PMA), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Ao todo, foram mobilizados 120 profissionais para combater o fogo, incluindo equipes do Centro Nacional de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais (Prevfogo), do Ibama. Nesta segunda-feira (4) chegaram à base estruturada para as equipes, em uma fazenda situada em Miranda, oito integrantes do Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal. Ao lado de mais 27 que desembarcarão amanhã (5) no local, eles vão auxiliar nas atividades de combate aos incêndios.

Em entrevista à Agência Brasil, o sargento André Marti, do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso do Sul, disse que os agentes encontraram diversos animais carbonizados. Para Marti, os danos são “gigantescos”. “É impactante, porque a região é um santuário de animais, tanto de silvestres quanto de gado.”

Marti informou que uma aeronave sobrevoou a área afetada, jogando jatos de água para abrir caminho, em meio às “linhas de fogo”, para os brigadistas que transitavam por terra. “É um difícil acesso. São áreas longínquas, com mata, às vezes”, afirmou o sargento. Segundo ele, os bombeiros têm se revezado nessa tarefa porque a rotina é “fatigante”.

A região atingida pelo incêndio encontra-se em um dos mais importantes biomas do mundo, o Pantanal Mato-Grossense. No Pantanal, já foram identificadas quase 2 mil espécies de plantas, muitas delas com potencial medicinal.

No bioma, também vivem muitas espécies que já estão ameaçadas em outras regiões do Brasil. O município de Miranda fica a cerca de 130 quilômetros de Bonito, cidade que ganhou fama por suas belezas naturais.