Polícia chilena identifica cubanos e venezuelanos em atos terroristas na capital Santiago

Segundo fontes da inteligência policial, foi detectada a participação de cidadãos cubanos e venezuelanos nas manifestações.

Image © (Ataque terrorista no Metro de Santiago, capital do Chile / Reprodução / via La Tercera) Oct/2019

Polícia chilena identifica cubanos e venezuelanos em atos terroristas na capital Santiago

Segundo fontes da inteligência policial, foi detectada a participação de cidadãos cubanos e venezuelanos nas manifestações.

A investigação dos responsáveis pelos ataques ao Metrô é um dos temas que mantém o governo alerta, com equipes exclusivas dedicadas ao trabalho de investigação e inteligência para identificar possíveis grupos organizados responsáveis pelas 118 estações danificadas.

De acordo com fontes de inteligência da políciaque disseram ao La Tercera, uma das descobertas alcançadas durante as últimas horas foi a identificação de uma das pessoas que participaram do ataque à estação San Joaquín de la Línea 5.

De acordo com as informações, essa pessoa foi descoberta graças à análise de imagens, gravações de câmera e geo-localização de telefones celulares. Além disso, existem indicações que permitiriam a identificação de grupos que participaram de forma coordenada. Ao mesmo tempo, assegura-se que a perícia das imagens continua e que o Presidente tem confiança em que os promotores destas ações serão identificados.

As mesmas fontes apontam para o papel dos estrangeiros em manifestações violentas, cujas origens são venezuelanas e cubanas. Sobre eles, está sendo verificada uma possível ligação com os serviços secretos desses países. Além disso, estão sendo investigados outros estrangeiros que teriam participado desses eventos.

Em relação às 25 estações que foram queimadas, sete foram completamente destruídas e 18 sofreram danos parciais, há uma suspeita pela simultaneidade dos ataques. Isto, a partir da diferença de 10 minutos em relação aos acidentes ocorridos nas estações Trinidad e Elisa Correa (Linha 4), bem como em San Pablo e Laguna Sur (Linha 5).

Neste sentido, uma das indicações que nos permite acreditar na presença de grupos organizados seria baseada em relatórios de peritos sobre a origem do incêndio. A análise dos traços deixados pelas chamas confirmaria – segundo os bombeiros – que em alguns casos foram utilizados no aceleradores de difícil acesso no mercado, e mesmo assim, a ignição teria sido realizada através de bombas com temporizadores que permitiram iniciar o incêndio naquelas estações, construídas na superfície, como a Laguna Sur.