Malásia pode cultivar maconha, desde que com permissão do Ministério da Saúde

É possível cultivar cannabis na Malásia - desde que se obtenha autorização do Ministério da Saúde e se for para fins medicinais e de investigação.

Image © (Imagem referencial / via The Coverage) Oct/2019

Malásia pode cultivar maconha, desde que com permissão do Ministério da Saúde

É possível cultivar cannabis na Malásia – desde que se obtenha autorização do Ministério da Saúde e se for para fins medicinais e de investigação.

De acordo com um relatório da Astro Awani, o diretor-geral da Agência Nacional Antidrogas, Datuk Seri Zulkifli Abdullah, disse que havia espaço na Lei de Drogas Perigosas, de 1952, para o cultivo de cannabis para esses propósitos, com a condição de que a permissão prévia seja obtida.

Ele acrescentou que o seu cultivo deve ser rigorosamente controlado para que não seja indevidamente utilizado para outros fins.

A maconha pode ser cultivada para fins medicinais na Malásia, tudo que você precisa é obter permissão do Ministro da Saúde, de acordo com o Diretor Geral da Agência Nacional Antidrogas, Datuk Seri Zulkifli Abdullah.

Falando ao Harian Metro, ele disse que há uma disposição na lei malaia que permite o cultivo da planta de cannabis no país, desde que ela cumpra algumas condições especiais ou permissões.

“Recentemente, li na imprensa sobre (o sucesso) de um grupo de malaios (no estrangeiro) na produção de óleo de cannabis, por isso sinto que é uma oportunidade perdida se não analisarmos a viabilidade de fazer o mesmo na Malásia.

“Se olharmos para a Lei das Drogas Perigosas de 1952, a planta de cannabis pode ser cultivada para fins medicinais… para isso é importante obter, antes, a aprovação do Ministro da Saúde, de que será produzida para fins médicos”, disse ele.

Ele disse isso ao falar com a mídia após a cerimônia de apreciação da Agência Nacional Antidrogas em Pahang, em 6 de agosto de 2019.

A Lei de Drogas Perigosas de 1952 restringe expressamente a posse, venda, uso, importação e exportação de ópio, cocaína e maconha. No entanto, há uma disposição na lei que permite o uso dessas substâncias para fins medicinais com permissão.

A história de sucesso de três malaios, que conseguiram produzir óleo de CBD (Cannabidiol) da Cannabis Sativa no Reino Unido recebeu atenção da mídia local em junho do ano passado.

Abdul Halim Pauzi e Nurul Ain Sahbudin, juntamente com o seu amigo, Mohd Roslan Abdullah, que vive no Reino Unido há 15 anos, fundaram a CBD Oils Malaysia, uma empresa que produz óleos de cannabis para fins medicinais. O trio também adquiriu licenças para comercializar seu produto à base de maconha em mais de 50 outros países da União Européia.

Zulkifli disse que se se provar que a planta de cannabis é benéfica para o uso medicinal, então as partes envolvidas devem procurar desenvolver a indústria localmente, desde que esteja de acordo com as disposições da lei malaia.

“Não podemos ter a planta cultivada em todo o lado porque a substância é considerada uma droga. É por isso que precisamos de regulamentação. De fato, vários países já iniciaram uma indústria em torno da planta de maconha. Talvez um dia, a Malásia possa ser um exportador da substância desde que sigamos a lei.

“É importante para o ministério da saúde verificar que a maconha pode ser usada para finalidades medicinais, porque têm a autoridade para fazer isso”, disse ele.

Atualmente, a maconha medicinal é legal, de alguma forma, em mais de 30 países, inclusive: Austrália, Canadá, Chile, Colômbia, Chipre, Finlândia, Alemanha, Grécia, Israel, Itália, Noruega, Holanda, Nova Zelândia, Peru, Polônia e Tailândia.

Verificou-se que a marijuana medicinal é eficaz no tratamento de vários problemas médicos, incluindo doença de Alzheimer, doença de Crohn, esclerose múltipla, epilepsia grave, esquizofrenia e stress pós-traumático.