Líder do “Indigenous People of Biafra”, Dominic Nneji visita Shiga

Dominic Nneji, líder do "The Indigenous People of Biafra Japan - IPOB Japan" esteve visitando a província de Shiga, nesta segunda-feira (16), em preparação para a visita de Mazi Nnmadi Kanu,  líder da Biafra, que chegará ao país no próximo dia 20.

Image © (Dominic Nneji, líder do Indigenous people of Bia Japan - IPOB Japan) Sep/2019

Líder do “Indigenous People of Biafra”, Dominic Nneji visita Shiga

Dominic Nneji, líder do “The Indigenous People of Biafra Japan – IPOB Japan” esteve visitando a província de Shiga, nesta segunda-feira (16), em preparação para a visita de Mazi Nnmadi Kanu,  líder da Biafra, que chegará ao país no próximo dia 20.

Acompanhado de Francis Ejike, morador da província de Shiga, concedeu-nos uma entrevista, explicando os motivos para a visita do líder Mazi Nnamdi Kanu ao Japão.

Após reunião nas Nações Unidas, Kanu viajará para o Japão para encontrar-se com oficiais do governo japonês e com a comunidade biafrana no país, os encontros serão nas cidades de Nagoya e Tokyo, e a agenda será pautada pelo “Referendum” da Biafra em relação à independência da Nigéria.

Nnamdi Kanu Photo.jpg
Kanu in Umuahia May 2017

Nnamdi Kenny Okwu Kanu é um ativista político britânico-nigeriano, formado em política econômica pela London Metropolitan University. Ele é o líder do Povo Indígena da Biafra (Indigenous People of Biafra – IPOB) e diretor de uma estação de rádio no Reino Unido chamada Radio Biafra. Nnamdi Kanu foi preso por acusações de traição em Lagos, Nigéria, em 14 de outubro de 2015, e foi detido por mais de um ano, apesar de várias ordens judiciais que decidiram pela sua libertação. Quando no tribunal, Kanu apareceu regularmente usando um xale de oração judeu e cobertura de cabeça. Ele disse no tribunal que “acredita no judaísmo” e se considera um judeu. Em 28 de abril de 2017 Kanu foi libertado da prisão sob fiança. Hoje luta pela independência da Biafra.

Aspectos históricos da Biafra:

Biafra, oficialmente República do Biafra, era um estado da África Ocidental que existiu de 30 de Maio de 1967 a Janeiro de 1970, era composto pelos estados da Região Sul da Nigéria.

A declaração de independência de Biafra da Nigéria resultou numa guerra civil com um genocídio generalizado da população local. Biafra foi formalmente reconhecido pelo Gabão, Haiti, Costa do Marfim, Tanzânia e Zâmbia. A Biafra também recebeu suporte de agentes não estatais, incluindo Joint Church Aid, Holy Ghost Fathers of Ireland, e sob a sua direção, Caritas International e U.S. Catholic Relief Services. A entidade Médicos sem Fronteiras também teve origem na resposta ao sofrimento do povo.

Os seus habitantes eram, maioritariamente, da etnia Igbo, que liderou a secessão devido às tensões econômicas, étnicas, culturais e religiosas entre os vários povos da Nigéria. Outros grupos étnicos presentes foram os Efik, Ibibio, Annang, Ejagham, Eket, Ibeno e Ijaw, entre outros.

Após dois anos e meio de guerra, durante os quais quase três milhões de civis biafranos morreram de fome devido ao bloqueio total da região pelos governos nigeriano e britânico, as forças de Biafra, sob o lema “No-victor, No-vanquished”, renderam-se ao Governo Militar Federal Nigeriano (FMG). A rendição foi facilitada pelo Vice-presidente biafrano e Chefe do Estado-Maior, Major General Philip Effiong, que assumiu a liderança da República de Biafra depois do Presidente original, Coronel Chukwuemeka Odumegwu Ojukwu, fugir para a Costa do Marfim.

Após a rendição de Biafra, alguns Igbos que tinham fugido do conflito voltaram às suas propriedades mas não puderam reclamá-las dos novos ocupantes. Isto tornou-se a Lei das Propriedades Abandonadas (28 de Setembro de 1979). Alegou-se que, no início da guerra civil, os Igbos retiraram os seus fundos dos bancos nigerianos e converteram-nos para a moeda de Biafra.

Após a guerra, as contas bancárias de Biafra foram apreendidas e um painel nigeriano resolveu dar a cada Igbo, com uma conta, apenas 20 libras. Hoje, os projetos federais em Biafra também foram muito reduzidos em comparação com outras partes da Nigéria.

Num estudo da Intersociety, verificou-se que as forças de segurança nigerianas também extorquiram aproximadamente 100 milhões de dólares por ano de bloqueios ilegais em estradas e outros métodos de Igboland, uma sub-região cultural de Biafra, no atual sul da Nigéria.

História

Os primeiros mapas modernos da África, dos séculos XV-XIX, extraídos de relatos escritos por exploradores e viajantes, mostram referências a Biafra, Biafara, e Biafares. Nos seus escritos pessoais o Rev. Thomas definiu a localização das ilhas na Baía de Biafra como “entre os paralelos da longitude 5° e 9° Este e da latitude 4° Norte e 2° Sul”. As pessoas na região descreveram Biafra como a terra diretamente adjacente à Baía de Biafra e também como um estado indígena, existente antes do colonialismo europeu criar entidades como a Nigéria.

Eventos que levaram a guerra

Em 1960, a Nigéria tornou-se independente do Reino Unido. Tal como acontece com muitos outros novos Estados africanos, as fronteiras do país não reflectiam fronteiras étnicas, culturais, religiosas ou políticas anteriores. Assim, a região norte do país tem maioria muçulmana, sendo composta principalmente pelo território do Califado de Sokoto. A população do sul é predominantemente cristã, sendo composta principalmente pelo território dos reinos indígenas iorubá e biafra, no oeste e no leste, respectivamente. Após a independência, a Nigéria foi demarcada, principalmente, segundo linhas étnicas: A maioria hausa e fulani no norte, a maioria iorubá no oeste e a maioria Igbo no leste.

É sabido que a tensão étnica tinha começado a aumentar na Nigéria durante as discussões sobre a independência, mas, em meados do século XX, começaram a ocorrer motins étnicos e religiosos. Em 1945, deflagrou um motim étnico em Jos, no qual o povo hausa-fulaniano atacou os Igbo e deixou muitos mortos e feridos. As unidades da polícia e do exército de Kaduna tiveram de ser trazidas para restabelecer a ordem. Um artigo de jornal descreve o evento:

“Em Jos, em 1945, um ataque repentino e selvagem dos nortistas surpreendeu completamente os orientais, e antes que a situação pudesse ser controlada, os corpos das mulheres, homens e crianças orientais enchiam as ruas e suas propriedades que valiam milhares de libras, reduzidas a escombros”.

300 Igbo morreram no ataque a Jos . Em 1953, ocorreu um motim semelhante em Kano. Uma década mais tarde, em 1964, e durante a crise política ocidental, dividiu a Região Oeste, enquanto Ladoke Akintola se confrontava com Obafemi Awolowo.

Relatórios generalizados de fraude mancharam a legitimidade da eleição. Os ocidentais ressentiram-se especialmente da dominação política do Congresso do Povo do Norte, muitos dos quais concorriam sem oposição nas eleições. A violência se espalhou por todo o país e alguns começaram a fugir do Norte e do Oeste, alguns para Dahomey.

A aparente dominação do sistema político pelo Norte e o caos que irrompeu por todo o país motivaram elementos das forças armadas a considerar uma ação decisiva. O governo federal, dominado pelo Norte da Nigéria, permitiu que a crise se desenvolvesse com a intenção de declarar o estado de emergência e colocar a Região Ocidental sob lei marcial. Esta administração do governo federal nigeriano foi amplamente considerada corrupta.

Em Janeiro de 1966, a situação atingiu um ponto de ruptura. Ocorreu um golpe militar durante o qual um grupo misto, mas predominantemente Igbo, de oficiais do exército assassinou 30 líderes políticos, incluindo o Primeiro-Ministro da Nigéria, Sir Abubakar Tafawa Balewa, e o Primeiro-Ministro do Norte, Sir Ahmadu Bello. Os quatro oficiais mais graduados de origem norte também foram mortos. Nnamdi Azikiwe, o presidente da extração de Igbo, e o político Obafemi Awolowo, favorito da Região Oeste, não foram mortos. O comandante do exército, General Aguiyi Ironsi, tomou o poder para manter a ordem.

Em julho de 1966, oficiais do norte e unidades do exército encenaram um contragolpe. Oficiais muçulmanos nomearam um General de um pequeno grupo étnico (os Angas) na Nigéria central, o General Yakubu “Jack” Gowon, como chefe do Governo Militar Federal (FMG). Os dois golpes aprofundaram as tensões étnicas da Nigéria. Em Setembro de 1966, cerca de 30.000 Igbo foram mortos no norte, e alguns nortistas foram mortos em acampamentos nas cidades do leste.

Em janeiro de 1967, os líderes militares Gowon, Chukwuemeka Ojukwu e altos funcionários da polícia de cada região se reuniram em Aburi, Gana, e concordaram em uma união de regiões menos centralizada. Os nortistas estavam em desacordo com este tratado que era conhecido como os Acordos de Aburi; Obafemi Awolowo, o líder da Região Ocidental advertiu que se a Região Oriental se retirasse, a Região Ocidental também o faria, o que convenceu os nortistas.