Abe defende reforma estrutural do Conselho de Segurança da ONU

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse nesta terça-feira (24), em discurso na 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas, que tanto o Conselho de Segurança (CSNU) quanto a ONU como um todo precisam de reformas.

Image © (Primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, na 74ª Assembléia Geral da ONU / Reprodução / via Agência Sputnik) Sep/2019

Abe defende reforma estrutural do Conselho de Segurança da ONU

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse nesta terça-feira (24), em discurso na 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas, que tanto o Conselho de Segurança (CSNU) quanto a ONU como um todo precisam de reformas.

Sobre o Conselho de Segurança, mais especificamente, o premiê japonês afirmou que uma reforma estrutural “é absolutamente imperativa” e deveria ocorrer o mais breve possível.

“Nosso objetivo é a realização antecipada de tal reforma. Além disso, o Japão está de pé nas eleições de 2022, recebendo novamente o apoio de vários países que desejamos servir como membro não permanente do Conselho de Segurança e envidar nossos melhores esforços rumo à realização dos princípios da ONU”, disse Abe, que também defendeu a normalização das relações com a Coreia do Norte.

O CSNU conta com cinco membros permanentes — China, França, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos —, todos com poder de veto, além de 10 membros não permanentes. No entanto, há anos, líderes de vários países vêm defendendo que a instituição precisa passar por uma ampla reforma a fim de refletir a atual ordem mundial.

Em julho passado, a então presidente da Assembleia Geral da ONU, María Fernanda Espinosa Garcés, expressou esperanças de que uma resolução referente à reforma do Conselho de Segurança da ONU seja adotada ainda neste ano. Na ocasião, falando em uma sessão do clube Valdai, Espinosa enfatizou que o CSNU deveria ser reformado para melhorar a comunicação entre os membros da organização e a coordenação entre seus órgãos.