Coreia do Norte dispara mais 2 projéteis em direção ao Mar do Japão

A Coreia do Norte disparou mais dois projéteis não identificados em direção ao Mar do Japão a partir de sua costa leste na manhã desta sexta-feira (16), segundo informaram autoridades sul-coreanas.

Image © (Explosão de alvo durante testes de mísseis em um local desconhecido na Coreia do Norte / Reprodução / via Agência Sputnik) Aug/2019

Coreia do Norte dispara mais 2 projéteis em direção ao Mar do Japão

A Coreia do Norte disparou mais dois projéteis não identificados em direção ao Mar do Japão a partir de sua costa leste na manhã desta sexta-feira (16), segundo informaram autoridades sul-coreanas.

De acordo com informações dos militares da Coreia do Sul reproduzidas pela mídia do país, os disparos teriam partido do condado de Tongchon, na província de Kangwon, e seguiram em direção ao Mar do Japão. No entanto, a distância percorrida pelos projéteis, a altura atingida e o local de sua queda ainda são desconhecidos.

“Nossos militares estão monitorando a situação em caso de lançamentos adicionais enquanto mantêm uma postura de prontidão”, disse o Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas da Coreia do Sul, citado pela agência Yonhap.

Desde que o ditador norte-coreano Kim Jong Un e o presidente dos EUA, Donald Trump, se reuniram na zona desmilitarizada coreana, no final de junho, e concordaram em reiniciar as negociações de desnuclearização, Pyongyang já realizou vários lançamentos de mísseis, alegando que eles teriam como objetivo desencorajar Seul e Washington de realizar manobras militares conjuntas na região.

No início desta semana, em resposta aos recentes lançamentos de projéteis por parte da Coreia do Norte, classificados por Seul como mísseis balísticos, o Ministério da Defesa sul-coreano disse que planeja modernizar sua frota de caças nos próximos cinco anos e buscar mais oportunidades de defesa no espaço.

Quinta-feira (15), o ministro da Defesa do Japão, Takeshi Iwaya, também enfatizou a necessidade de fortalecer os esforços de vigilância devido à possibilidade de que a Coreia do Norte possa disparar mais mísseis após seus lançamentos nas últimas semanas.