Recomeça a caça comercial da baleia no Japão

A caça comercial da baleia está de volta ao Japão após uma paralisação de mais de três décadas. A controversa decisão vem depois que o país se retirou da Comissão Baleeira Internacional (IWC na sigla em inglês) em 30 de junho.

Image © (Barcos baleeiros ancorados em porto no Japão / Reprodução / via Internet) Jul/2019

Recomeça a caça comercial da baleia no Japão

A caça comercial da baleia está de volta ao Japão após uma paralisação de mais de três décadas. A controversa decisão vem depois que o país se retirou da Comissão Baleeira Internacional (IWC na sigla em inglês) em 30 de junho.

No dia 1º de julho de manhã navios baleeiros do Japão se reuniram no porto de Kushiro, na província de Hokkaido.

“Estou muito feliz porque só sei caçar baleias”, disse um deles.

Os cinco barcos de pesca vão para o mar, um após o outro. 7 horas depois, um deles retorna carregando uma baleia minke de 8,3 metros. É a primeira baleia a ser capturada desde o retorno da caça comercial.

Até há uma semana, os pescadores tinham participado de uma das últimas expedições de investigação baleeira financiadas pelo Governo. Viagens como esta costumavam constituir uma parte substancial dos seus rendimentos.

Mas o regresso da caça comercial à baleia mudou as coisas. As viagens de investigação terminaram e os próprios pescadores podem capturar e vender baleias.

“Estamos um pouco preocupados com a forma como teremos que ajustar nosso negócio”, diz Yoshifumi Kai, líder da Associação Baleeira Baseada na Comunidade. “Mas estamos muito felizes que, depois de 31 anos, a caça comercial à baleia tenha reiniciado”.

A caça comercial da baleia só será exercida nas águas territoriais e na Zona Econômica Exclusiva do Japão. Além disso, o país fixou uma quota de 227 baleias para o período de Julho a Dezembro, com base num método aprovado pela IWC. Os números são fixados em 52 Minkes, 150 Bryde’s e 25 Baleias-sardinheiras.

O Japão informa que capturou 637 baleias para pesquisa em 2018. Por conseguinte, a nova quota de seis meses traz uma redução anual.

No entanto, o Ministério das Pescas diz que não espera uma grande mudança na quantidade de carne de baleia que entra nos canais de distribuição para consumo, já que a maior quota é para a baleia, relativamente grande, Bryde.

A IWC impôs uma moratória à caça comercial da baleia desde os anos 80, com o Japão mudando de caça à baleia para investigação baleeira, em conformidade com essa moratória. No entanto, esta prática foi amplamente criticada.

Muitos disseram que o Japão estava usando a pesquisa como cobertura para a caça comercial à baleia, desde que a carne foi vendida no mercado interno.

O Japão propôs à IWC um reinício da caça comercial à baleia mais de 20 vezes, mas foi recusado em todas as ocasiões.

Como resultado, o Japão decidiu deixar a IWC no ano passado, convencido de que o comitê era fortemente contra a caça à baleia. Os funcionários da Agência das Pescas consideraram que 48 das 89 nações membros eram contra a caça da baleia.

Reunião do International Whaling Commission – IWC

“Alguns países se concentram apenas na preservação das baleias e não havia espaço para negociação”, disse o Secretário Chefe do Gabinete, Yoshihide Suga. “E na reunião geral de setembro, ficou claro, mais uma vez, que as idéias de uso sustentável dos estoques de baleias e de conservação não podem coexistir.

Apesar das repetidas pressões do Japão para a retomada da caça comercial à baleia, o apetite do país pelo animal é pequeno.

A pessoa média no Japão consome menos de 40 gramas de baleia por ano. Para a maioria, é considerado uma iguaria.

A carne de baleia é utilizada em uma série de pratos

Um restaurante de carne de baleia em Tóquio diz que cerca de 80% dos seus clientes são estrangeiros.

A chef Sumiko Koizumi diz que se pergunta se a indústria conseguirá sobreviver após uma paralisação de mais de 30 anos.

“Muitos japoneses esqueceram-se completamente da carne de baleia. A menos que causemos uma boa impressão nos nossos consumidores agora, a indústria pode morrer”.

Ativistas em Londres saíram às ruas para protestar contra a mudança do Japão. No dia 29 de junho, cerca de 50 pessoas marcharam em direção à embaixada japonesa, carregando cartazes e cantando pela proteção das baleias.

“Não entendo por que o Japão está fazendo isso”, disse Dominic Dyer, um defensor da vida selvagem. “Acho que não há um grande mercado interno para a carne de baleia.”

As preocupações do Japão não se limitam às críticas do exterior. O antigo negociador-chefe da IWC diz que a caça comercial da baleia pode violar a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar.

O artigo 65 do tratado exige que os signatários trabalhem com organizações internacionais para conservar as baleias.

“Esse seria um ponto para aqueles que desejam entrar com uma ação judicial contra o Japão”, diz Masayuki Komatsu, membro sênior da Tokyo Foundation for Policy Research. “Se o Japão perder, isso terá um efeito prejudicial sobre a caça à baleia japonesa”, diz Masayuki Komatsu, membro sênior da Tokyo Foundation for Policy Research. O Japão perde a importante base para a prática da caça à baleia nas áreas costeiras e adjacentes”.

Ele diz que o Japão deve voltar à IWC.

“A questão de proteger o ecossistema marinho torna-se cada vez maior. Agora é a hora da pesquisa, não da caça comercial à baleia. É evidente que a tradição baleeira do Japão entrou numa nova fase. Mas parece ser uma viagem difícil de navegar”.