Sepultura realiza show em Campinas/SP

O Sepultura, uma das bandas mais aclamadas do rock metal, se apresenta no próximo dia 28 de junho, na cidade de Campinas, interior do Estado de São Paulo. O show vai acontecer no Prime Hall, a partir das 20h. Atualmente o grupo é formado por Derrick Green (vocal), Andreas Kisser (guitarra), Paulo Jr. (baixo) e Eloy Casagrande (bateria). Fundada em 1984, pelos irmãos Max e Igor Cavalera, em Belo Horizonte/MG, a banda misturava death metal e thrash metal com elementos de música tribal indígena, africana, japonesa e outros estilos.

Sepultura é uma banda que ganhou fama na década de 90, além do respeito e admiração por sua longa trajetória  no cenário musical. Os ingressos podem ser adquiridos pelo site da Alpha Tickets www.alphatickets.com.br, ou na bilheteria do local. A organização do evento é da Oceania.

SERVIÇO:
Evento: Show Sepultura
Data: 28 de junho
Horário: 20h
Local: Prime Hall – Rua Manoel dos Santos, 500 – Cidade Universitária – Campinas/SP.
Mais informações: www.alphatickets.com.br

Formada inicialmente por Wagner Lamounier (guitarrista e vocalista), Igor Cavalera (baterista), Max Cavalera (guitarrista), Paulo Jr. (baixista), a banda vendeu cerca de 50 milhões de CDs, ganhando vários discos de ouro e platina em todo o mundo.

A primeira gravação do Sepultura, foi o álbum BESTIAL DEVASTATION/SÉCULO XX (85), dividido com os conterrâneos mineiros do OVERDOSE. O disco  MORBID VISIONS (86), proporcionou a banda vários shows pelo Brasil, mas também a despedida de Jairo Guedez, sendo substituído pelo músico Andreas Kisser.  Em 1987, eles lançam o álbum SCHIZOPHRENIA, conquistando visibilidade internacional, assinando contrato de sete anos com a gravadora Holandesa RoadRunner. A banda se apresenta por todo o Brasil, realizando shows em lugares de difícil acesso, como Amazonas e Manaus.

Em 1989, lançam BENEATH THE REMAINS, considerado um dos discos mais respeitados da história do metal mundial. O álbum foi gravado no Brasil, e trouxeram o produtor norte-americano Scott Burns, que mixou e masterizou o disco nos EUA, o que lhes rendeu a primeira turnê internacional, se apresentando pela Europa, Estados Unidos, e México ao lado dos alemães do Sodom. Durante a turnê, o Sepultura encontrou Lemmy Kilmister (Motörhead), uma de suas inspirações, cruzando o muro de Berlim na época da guerra fria, e conhecendo a banda Metallica. Nesta época, o Sepultura grava o primeiro vídeo clipe Inner Self, que tornou-se um clássico da banda.

No ano de 1991, é lançado no Brasil o disco ARISE, devido ao festival Rock in Rio II, onde o Sepultura foi um dos destaques. A turnê do ARISE foi longa e passou por lugares longínquos e inéditos como Grécia e Japão. Na Austrália foi lançado um dos primeiros singles oficiais da banda, o ‘Third World Posse’. Na Holanda tocaram estrearam em um festival internacional de grande repercussão, o ‘Dynamo Open Air’, para mais de trinta mil pessoas. E atraíram mais de 100.000 fãs, nas duas apresentações feitas em estádios, quando estiveram na Indonésia. Lá também foram premiados com fitas cassetes de ouro pelas excelentes vendas.

Além da gravação dos clipes de ‘Arise’ e ‘Dead Embryonic Cells’, eles lançaram seu primeiro home-vídeo, ‘Under Siege’, gravado em Barcelona (Espanha). Em 1993, lançaram o CHAOS A.D. em grande estilo, num castelo medieval na Inglaterra e com a presença de boa parte da imprensa mundial. Nesta turnê a banda gravou em Israel, o clipe da música ‘Territory’. Este vídeo foi eleito o melhor Vídeo Clipe do ano pela MTV Brasil, que levou a banda á Los Angeles para receber o Astronauta de Prata. Nesta turnê o SEPULTURA foi a primeira banda de Metal da América Latina a se apresentar no famoso e tradicional festival “Monsters of Rock”, no Donington Park, na Inglaterra, e também a primeira banda do Brasil a tocar na Rússia.

Os músicos Max e Alex Newport, se envolvem no projeto paralelo NAILBOMB, recebendo o suporte de Andreas, Igor e Dino Cazares. A dupla lançou o disco, POINT BLANK, e se apresentou no ‘Dynamo Open Air’, o que resultou no Disco ao Vivo PROUD TO COMMIT COMMERCIAL SUICIDE. A concepção do disco ROOTS (1996) começou com a experiência musical e espiritual que o SEPULTURA teve com a tribo dos índios XAVANTES. A música ‘Itsari’ foi gravada na Aldeia Pimentel Barbosa no ano de 1995, ás margens do Rio das Mortes no Estado de Mato Grosso, e o restante do álbum foram realizados em Malibu no estúdio Índigo Ranch.

O SEPULTURA realizava turnês pelo mundo, sendo convidada para se apresentar nos maiores festivais europeus, e novamente no ‘Monsters of Rock’ como uma das principais atrações. Porém o destino impediu Max de se apresentasse no festival, já que o grande amigo da banda (Dana Wells), filho da empresária Gloria Cavalera (esposa de Max), havia falecido. Em uma das mais importantes apresentações da carreira da banda o SEPULTURA estava como um trio. Neste dia contaram com a ajuda de diversos amigos para conseguir fazer o show, pois a notícia havia sido um grande choque para todos. O público presente entendeu a situação e fez um minuto de silêncio a pedido da banda.

Após um breve luto, o SEPULTURA precisou voltar a estrada, pois haviam muitos compromissos agendados. A banda estava no topo da pirâmide e o respeito e admiração que desfrutavam era fora do comum. Infelizmente os constantes desentendimentos com sua empresária Glória, que é esposa do Max, fizeram a banda chegar numa encruzilhada, e a Sepultribo se separou. Andreas, Igor e Paulo comunicaram a decisão de não renovar o contrato de trabalho. Havia a opção da Gloria continuar a cuidar dos interesses de Max, mas ele não aceitou a decisão dos companheiros e abandonou o SEPULTURA.

Com o tempo a banda acostumou-se á nova situação, sabia que não iria parar o trabalho de uma vida toda e tampouco deixar seus fãs órfãos. O SEPULTURA é mais que entretenimento, é uma ideologia, e assim que puderam começaram a escrever seu próximo álbum, como um trio. Max formou sua própria banda (SOULFLY). Igor, Paulo e Andreas passaram a escrever de uma nova forma. Agora o baixo ganhou uma importância ainda maior, como base das músicas. Andreas assumiu os vocais, mas nunca havia cantado antes e não se sentiu á vontade no posto. Decidiram encontrar um novo vocalista para o SEPULTURA.

As fitas de demonstração chegaram em grande quantidade aos escritórios da RoadRunner, e o processo de seleção não foi fácil. Um pequeno grupo de finalistas foi selecionado, e os candidatos receberam uma fita com músicas nas quais deveriam trabalhar (inclusive escrevendo letras) antes de encontrarem a banda para os testes. Os testes finais aconteceram no Brasil, porque para fazer parte do SEPULTURA é imprescindível gostar do país e se identificar com a cultura local. Também foi levado em conta a integração e a afeição entre o grupo.

Desde o começo da procura, a voz e a aparência de Derrick Green impressionou. Quando ele esteve no Brasil para os testes sentiu-se em casa, virou Palmeirense, e se entendeu extremamente bem com a banda. Ele preenchia todos os requisitos necessários, e se tornou parte da família. A maior parte das músicas já estava pronta, esperando a gravação dos vocais, e a banda estava sob pressão para lançar o disco, mas trabalharam buscando a perfeição. Em 1998 foi lançado AGAINST, um álbum empolgante, de composições e letras fortes. Muitos sentimentos foram traduzidos neste disco, o resgate da autoconfiança, a vontade da volta à estrada.

AGAINST contou com a participação de amigos de longa data da banda. João Gordo em ‘Reza’ e Jason Newsted em ‘Hatred Aside’; e também o grupo de percussão japonês KODO hospedou a banda na ilha de Sado, onde vivem, e lá gravaram a faixa ‘Kamaitachi’. Era chegada a hora de reencontrar fãs e deixar claro que as fofocas propagadas pela mídia (que anunciou o fim da banda) não passavam de grandes mentiras. O primeiro show do AGAINST foi um grande evento beneficente em São Paulo, o BARULHO CONTRA FOME.

Apesar de feito vários shows com suas antigas bandas, o Derrick nunca havia se apresentado para um público tão fiel, exigente e numeroso como os fãs brasileiros do SEPULTURA. Para tanto a banda ensaiou tocando em uma casa de shows pequena em Los Angeles (Brick by Brick), usando o nome ‘TROOPS OF DOOM’. O BARULHO CONTRA FOME foi um grande sucesso, que os 30.000 fãs presentes lembrarão para sempre. Convidados muito especiais tocaram aquele dia. Mike Patton veio da Itália para o show. Jason Newsted veio dos Estado Unidos. E os índios Xavantes enfrentaram a selva de pedra da metrópole. Carlinhos Brown veio da Bahia. Jairo Guedez matou as saudades da ex – banda, e o lendário Zé do Caixão abençoou a banda. A crítica e a empolgada audiência receberam calorosamente o Derrick na Sepultribo.

Saíram do AGAINST os singles ‘TRIBUS’, ‘AGAINST’ e ‘CHOQUE’ (este último ganhou um vídeo clipe gravado durante o BARULHO CONTRA FOME). A turnê rodou o mundo todo e foi bem sucedida. O SEPULTURA tocou pela primeira vez com os gigantes do metal SLAYER, pondo fim ao mito sem fundamentos de que as bandas não se davam bem. E para a alegria dos fãs brazucas de longa data fizeram uma turnê nacional, após anos de espera.

Finda a turnê os quatro músicos estavam ansiosos para começar a trabalhar o próximo disco. A época do AGAINST será sempre lembrada como o oxigênio da carreira do SEPULTURA, inspirado quando mais precisaram e que lhes deu força para construir toda uma Nação. NATION (2001) é um álbum que já nasceu vitorioso e brilhante, inclusive como disco de ouro. Andreas, Paulo, Derrick e Igor criaram um lugar utópico, para as pessoas que importam: fãs, amigos e famílias. A letra de ‘SEPULNATION’ é auto-explicativa, a música do SEPULTURA é sua arma, e eles a usam com destreza.

Graças á ajuda da vasta Sepultribo na Internet, a banda foi convidada para tocar na terceira edição do Rock in Rio. Lá o NATION foi apresentado á multidão de 150.000 pessoas, não havia um ser que não estivesse empolgado naquela memorável noite de janeiro (apesar de alguns veículos da imprensa nacional ainda não aprenderem a respeitar um dos maiores fenômenos da música brasileira, o mundo viu com certeza o poder de fogo que os espera). Entraram no palco ao som do hino ‘VALTIO’, feito com a colaboração dos músicos finlandeses do APOCALYPTICA.

Também colaboraram na Nação os músicos Jello Biafra e Dr. Israel, e quota pensamentos de gente brilhante (Madre Teresa de Calcutá, Albert Einstein, Gandhi e o 14o Dalai Lama). O disco mostra um SEPULTURA maduro, cicatrizado e consciente. Resultado da estabilidade proporcionada por Derrick, que participou ativamente na composição do álbum. Seu crescimento na banda é explícito.

Site Oficial: https://www.sepultura.com.br/
Facebook Oficial: https://www.facebook.com/sepultura/
Youtube: https://www.youtube.com/channel/UC4Prl7UQx5i5PgRUh-O5XBg


ESTRATEGIC ASSESSORIA E COMUNICAÇÃO
Assessor de Imprensa – Diego Vivan
[email protected]
www.estrategicassessoria.com
(19) 9 9218 8645 / (19) 3883 4386

Da Redação by Cleo Oshiro

Artigo anterior“SERÁ” é o novo lançamento da banda de Rock Cristão Paulista “ROCKERAGE”
Próximo artigoIrã anuncia que derrubou drone dos Estados Unidos
Cleo Oshiro
Sou a Cleo Oshiro, uma mineira que no ano de 2002 optou por viver no Japão com a família. Em 2010 a Revista GVK Internacional no Brasil, especializada em karaokê, me descobriu no Orkut e através da minha paixão pela música e karaokê, decidiram fazer uma matéria sobre minha vida aqui no Japão, afinal foi aqui na cidade de Kobe que ele surgiu e se espalhou pelo mundo. Com a repercussão da matéria, eles me convidaram para ser a Correspondente Internacional da revista no Japão e aceitei o desafio e não parei mais. Fui Colunista Social por 2 anos no Portal Mie/Japão, da Revista Baladas Internacional/ Suiça, na BDCiTV/EUA e na Revista Biografia/ Brasil, realizando entrevistas com várias personalidades do meio artístico. Minhas matérias são para divulgar o trabalho dos artistas, sem apelos sensacionalistas, mesmo porque meu foco é mostrar a imensidão de talentos espalhados pelo mundo sejam famosos ou não. Atualmente faço parte da equipe da Rádio Shiga, onde faço matérias artísticas e sou a idealizadora do programa musical The Best Of Brazilian Music em parceria com o Omote-san. O programa foi suspenso devido problemas interno, mas o tempo em que esteve no ar levava a música brasileira à outros países da Asia. O programa The Best Of Brazilian Music era apresentado em inglês pela DJ Shine Dory, uma filipina apaixonada pela MPB e Bossa Nova. A escolha pelo idioma foi para alcançar japoneses e estrangeiros que vivem no Japão, já que inglês é um idioma universal e os brasileiros já contavam com o acesso as informações dos artistas através das matérias publicadas por mim no site