Forte terremoto de M6.1 nas Filipinas deixa pelo menos 8 mortos

Edifícios balançando na capital, Manila, fizeram com que milhares de trabalhadores fossem para as ruas, enquanto blecautes foram registrados em várias cidades.

Image © (Equipes de resgate carregam uma mulher para ambulância depois que um forte terremoto atingiu a Ilha de Luzon / Reprodução / via SCMP) Apr/2019

Forte terremoto de M6.1 nas Filipinas deixa pelo menos 8 mortos

Edifícios balançando na capital, Manila, fizeram com que milhares de trabalhadores fossem para as ruas, enquanto blecautes foram registrados em várias cidades.

Mais de 100 vôos, incluindo rotas de e para Hong Kong e Cingapura, foram cancelados com o fechamento do Aeroporto Internacional de Clark, devido a danos nas instalações.

Pelo menos oito pessoas morreram quando um terremoto de magnitude 6,1 atingiu a Ilha de Luzon, nas Filipinas, nesta segunda-feira (22) a tarde, e autoridades temem que dezenas de pessoas possam estar presas nos escombros de um prédio comercial que foi destruído.

O terremoto ocorreu a 60 quilômetros a noroeste da capital, Manila, interrompendo o transporte aéreo, ferroviário e rodoviário e causando danos aos edifícios e infra-estrutura.

O aeroporto internacional de Clark, uma antiga base militar dos EUA, foi fechado e mais de 100 vôos foram cancelados após danos em partes das instalações, incluindo áreas de check-in.

A província de Pampanga foi a mais atingida. Oito pessoas morreram e cerca de 20 ficaram feridas, informou a governadora da província, Lilia Pineda, por telefone, citando informações de autoridades do desastre.

Equipes de resgate estavam usando equipamentos pesados e cães de busca para tentar alcançar as pessoas presas, depois que um prédio de quatro andares caiu, esmagando um supermercado no térreo, disse ela.

“Eles podem ser ouvidos, chorando e gritando de dor”, disse ela sobre os presos. “Não será fácil resgatá-los.”

O terremoto foi, inicialmente relatado, como sendo de magnitude 6,3 e posteriormente revisado para magnitude 6,1, disseram as autoridades de sismologia do Serviço Geológico dos EUA e das Filipinas.

As Filipinas estão propensas a desastres naturais, localizadas no, sismicamente ativo, “Anel de Fogo” do Pacífico, uma faixa de vulcões em forma de ferradura e linhas de falhas tectônicas que circundam as margens do Oceano Pacífico. Ela também é atingida por uma média de 20 tufões por ano, trazendo fortes chuvas que provocam deslizamentos mortais.

Grandes rachaduras apareceram nas estradas provinciais e os postes de eletricidade foram derrubados.

Equipes de resgate em Manila estavam se preparando para os esforços de resgate das pessoas presas em Pampanga. O governo pediu que as pessoas fiquem tranquilas, pois rumores de mais mortes e destruição ganharam força online.

“Pedimos a população que evitem espalhar desinformação nas mídias sociais que possam causar alarme, pânico e estresse indevidos”, disse o porta-voz da presidência, Salvador Panelo.

Em Manila, o terremoto, logo após as 17h, fez com que prédios altos oscilassem por vários minutos nos principais distritos comerciais.

Serviços ferroviários elevados foram interrompidos e trabalhadores foram evacuados de escritórios e condomínios, enviando uma multidão para as calçadas e em filas de ônibus, acrescentando mais caos às estradas que estão entre as mais congestionadas do mundo.