Corte em Tóquio fixa fiança para Carlos Ghosn

O Tribunal Distrital de Tóquio concedeu, pela segunda vez, fiança ao ex-presidente da Nissan Motor, Carlos Ghosn.

Image © (Ex-presidente da Nissan Motors, Carlos Ghosn / Reprodução / via CNN) Apr/2019

Corte em Tóquio fixa fiança para Carlos Ghosn

O Tribunal Distrital de Tóquio concedeu, pela segunda vez, fiança ao ex-presidente da Nissan Motor, Carlos Ghosn.

Ghosn foi libertado em 6 de março de 2019, depois de passar 108 dias em detenção. Ele depositou uma fiança de cerca de 9 milhões de dólares (mais de 1 bilhão de ienes), mas foi preso novamente em 4 de abril.

Na segunda-feira (22), os promotores apresentaram outra acusação contra Ghosn, por violação agravada de confiança.

Eles alegam que Ghosn fez a Nissan Motors enviar dinheiro para uma concessionária de automóveis em Omã, e que então canalizou parte desse recurso para seu próprio uso. Eles dizem que a Nissan perdeu cerca de 5 milhões de dólares como resultado.

Os advogados de defesa de Ghosn entraram com um pedido de fiança, após a última acusação.

O tribunal concedeu o pedido nesta quinta-feira (25), e fixou a fiança adicional em mais de 4 milhões de dólares.

As condições para a liberação de Ghosn no mês passado incluíram a instalação de uma câmera de segurança na entrada de sua casa e restrições ao uso de computadores e telefones celulares.

É provável que a equipe de defesa tenha oferecido várias condições desta vez, para evitar a destruição de provas.

Os promotores devem apelar da decisão do tribunal, alegando que ele poderia contatar sua esposa e filho, cujas empresas estão ligadas à última acusação.

Ghosn já pagou a fiança. Se o tribunal rejeitar a apelação da promotoria, ele poderá ser libertado ainda nesta quinta-feira (25).

As autoridades de assuntos públicos da Nissan dizem que não estão em posição de comentar sobre procedimentos legais.

Ghosn foi removido como diretor da Nissan em uma reunião de acionistas, no início deste mês, e agora não tem posição na empresa.