Bolsonaro oferece ajuda ao presidente de Moçambique

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (21), que conversou, por telefone, com o presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, para prestar solidariedade ao país e às vítimas da devastação provocada pelo Ciclone Idai. Segundo ele, ofereceu ajuda no que for necessário.  “Nos colocamos à disposição no que for possível. [Eu] me solidarizo com o povo do Zimbabue e Malauí, também atingidos pelo ciclone”, disse o presidente, na sua conta no Twitter.

Image © (Devastação após passagem do ciclone Idai em Moçambique / Reprodução / via Agência Brasil) Mar/2019

Bolsonaro oferece ajuda ao presidente de Moçambique

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (21), que conversou, por telefone, com o presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, para prestar solidariedade ao país e às vítimas da devastação provocada pelo Ciclone Idai. Segundo ele, ofereceu ajuda no que for necessário.  “Nos colocamos à disposição no que for possível. [Eu] me solidarizo com o povo do Zimbabue e Malauí, também atingidos pelo ciclone”, disse o presidente, na sua conta no Twitter.

Em Santiago (Chile), Bolsonaro, durante transmissão ao vivo, nas redes sociais, reiterou o apoio a Moçambique. O número de vítimas do ciclone ainda é levantado pelas autoridades do país africano. Filipe Nyusi estimou que a quantidade de mortos, desaparecidos e desassistidos pode ultrapassar mil pessoas.

Presidente da República de Moçambique, Filipe Jacinto Nyusi.
Presidente da República de Moçambique, Filipe Jacinto Nyusi / Reprodução / via Agência Brasil

O ciclone atinjou o sudoeste da África, mas de forma mais intensa Moçambique. Segundo integrantes da Organização das Nações Unidas (ONU), há dificuldades para retirar os sobriventes dos locais afetados, pois há áreas inteiras tomadas por enchentes e deslizamentos de terra. Também há limitações para a distribuição de alimentos e medicamentos.

Participaram da transmissão ao vivo com o presidente, os ministros-chefes do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, e da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU), Wagner do Rosário, além do porta-voz da Presidência da República, Otávio Rêgo Barros, e o deputado Hélio Bolsonaro (PSL-RJ).