A poesia e o caos nas canções da cantora Izza e a Kombi Azul

Izza é uma cantora e compositora, natural de Fortaleza (CE) e radicada em Belo Horizonte há mais de dez anos, a artista estabelece diálogo sensível entre a MPB e a música indie. Sua voz marcante mistura delicadeza e intensidade através de domínio da técnica e emoção.

A música de Izza transita entre a poesia e o caos através de canções de autoria da própria cantora e arranjos feitos em colaboração com a Kombi Azul. Em Novembro de 2018 Izza e a Kombi Azul gravaram seu DVD no Teatro da Assembléia em Belo Horizonte- MG, com a participação especial do Grupo Turquesa (Lílian Santiago, Juliana Tostes, Raniele Barbosa, Clara Ernest).

Integram a Kombi Azul, a cantora Izza (Voz e piano): Matheus Lucena (Guitarra): Gilmar Iria (Acordeon, viola de arco e piano): Pedro Santos (Baixo): Gustavo Avelar (Bateria).

Com formação no teatro e na música, Izza consegue levar para suas canções e apresentações a expressividade que aproxima o público, explorando o melhor de cada linguagem artística. A cantora que tem o ukulele como sua mais recente paixão, diz que com ele surgiu um outro universo de composição, que compartilha no seu show.

“Cosmópolis” (2017), EP de lançamento de sua carreira solo, é seu trabalho mais autoral, íntimo e pessoal, trazendo referências contemporâneas que sempre permearam a criação da artista. O trabalho já ganhou os palcos de festivais importantes tais como o Sonora – Festival Internacional de Compositoras e o Música Itinerante. Entre o Indie Pop e a MPB, Cosmópolis aborda a vida na metrópole com suas urgências e sentimento.

Izza circulou por diversas capitais, tais como Recife, Fortaleza e São Paulo e cidades no interior do estado de Minas Gerais, tais como Congonhas, São Gonçalo, Itabira e Pará de Minas. Nesta última realizou apresentação com a Orquestra Arte Nossa, projeto que culminou na circulação “Izza e Orquestras Brasileiras”, com concertos nas cidades de Itabira, Pará de Minas (MG) e Fortaleza (CE).

Izza é graduada em Teatro com formação complementar em Música pela UFMG. Formou-se em canto pela Bituca Universidade de Música Popular e também realiza formação musical na Fundação de Educação Artística. Lecionou disciplinas de Expressão Vocal em escolas importantes de Minas Gerais, tais como Curso de Teatro do Cefart Palácio das Artes, Teatro Universitário da UFMG e Escola de Teatro da PUC Minas.

Por seis anos esteve à frente dos vocais do grupo Oxente Uai, com o qual lançou o disco Feito Passarim (2016), trabalho autoral com direção musical de Fernanda Gonzaga. Na interseção entre teatro e música, participou da preparação vocal e criação de trilha sonora de mais de 12 espetáculos da capital mineira.

Realizou intercâmbio artístico com Francesca della Monica na Itália, onde integrou o elenco do espetáculo Rifrazioni di Alice (2014), direção de Marcelo Cordeiro. É pesquisadora da metodologia de trabalho vocal de Della Monica, acompanhando e produzindo Workshops da artista em Belo Horizonte desde 2011.

Facebook: https://www.facebook.com/somdaizza/

Da Redação by Cleo Oshiro

Artigo anteriorTrump diz que atuará para incluir Brasil na OCDE
Próximo artigoIra! Folk realiza show em Ribeirão Preto/SP
Cleo Oshiro
Sou a Cleo Oshiro, uma mineira que no ano de 2002 optou por viver no Japão com a família. Em 2010 a Revista GVK Internacional no Brasil, especializada em karaokê, me descobriu no Orkut e através da minha paixão pela música e karaokê, decidiram fazer uma matéria sobre minha vida aqui no Japão, afinal foi aqui na cidade de Kobe que ele surgiu e se espalhou pelo mundo. Com a repercussão da matéria, eles me convidaram para ser a Correspondente Internacional da revista no Japão e aceitei o desafio e não parei mais. Fui Colunista Social por 2 anos no Portal Mie/Japão, da Revista Baladas Internacional/ Suiça, na BDCiTV/EUA e na Revista Biografia/ Brasil, realizando entrevistas com várias personalidades do meio artístico. Minhas matérias são para divulgar o trabalho dos artistas, sem apelos sensacionalistas, mesmo porque meu foco é mostrar a imensidão de talentos espalhados pelo mundo sejam famosos ou não. Atualmente faço parte da equipe da Rádio Shiga, onde faço matérias artísticas e sou a idealizadora do programa musical The Best Of Brazilian Music em parceria com o Omote-san. O programa foi suspenso devido problemas interno, mas o tempo em que esteve no ar levava a música brasileira à outros países da Asia. O programa The Best Of Brazilian Music era apresentado em inglês pela DJ Shine Dory, uma filipina apaixonada pela MPB e Bossa Nova. A escolha pelo idioma foi para alcançar japoneses e estrangeiros que vivem no Japão, já que inglês é um idioma universal e os brasileiros já contavam com o acesso as informações dos artistas através das matérias publicadas por mim no site