A reflexão de Silas Rodrigues em “ecos da cegueira”

O escritor, compositor e cantor Silas Rodrigues, traz na sua bagagem dois livros publicados, três CDs, um DVD e um EP gravados. O EP “ecos da cegueira” é uma reflexão, tendo como principal objetivo, desassossegar aqueles que ainda não se deram conta de que o planeta pede socorro.

Nascido na cidade de Goiânia, desde a adolescência o Rio de Janeiro o adotou. Em seu estúdio “Cantos do Trilho” no bairro de Santa Teresa, onde mantém parceria com o baterista Pedro Garcia (Planet Hemp), recebe músicos e compositores de vários estilos como B.Negão, Blues etílicos, Yamandu Costa, Robertinho Silva entre outros e concilia os trabalhos como escritor, compositor, violonista, cantor e arranjador.

Após participar de trabalhos musicais de vários artistas, Silas lançou em 2001 o CD “Alma Feminina” uma coprodução com Victor Chicri (Cássia Eller, Gal Costa e Luiz Melodia). Neste CD, além de composições inéditas, Silas Rodrigues gravou uma nova versão para “San Vicente” de Milton Nascimento e Fernando Brant, e a relíquia “Nova Ilusão” composta em 1941 por Pedro Caetano e Claudionor Cruz, que conta com a participação dos integrantes do lendário “Época de Ouro”.

O CD contou com as participações do guitarrista Victor Biglione , do cantor e compositor Cláudio Nucci, do violoncelista Márcio Mallard, do baixista Adriano Giffoni  e de Ronaldo do bandolim, Toni 7 cordas e Jorge Filho, integrantes do lendário “Época de Ouro”. “Alma Feminina traz na maioria do seu repertório, canções que falam do universo feminino. Além do Brasil, este trabalho ganhou elogios também na Espanha e Itália.

Em 2007, lançou o livro infanto-juvenil “Mão de Moleque” , com passagem pela “Bienal do Rio de Janeiro”. Muita gente parte das memórias para escrever suas histórias. Silas cola memórias com casos criados e acaba por nos trazer fatos que se parecem muito com ele: musicais simples, emocionados e honestos, os casos do escritor são goianos com pitadas cariocas.

Silas viajou em 2008 com o espetáculo “Mão de Moleque”, baseado no livro homônimo infanto-juvenil, contando histórias da infância de garotos do interior. As histórias são contadas pelos atores e músicos Ivny Matos, Taynã Fontes, Daniel Charbel, pelo próprio Silas Rodriguez que participa como instrumentista e cantor e pela pequena Victória Valério.

Em 2009, Silas Rodrigues compôs e gravou no estúdio “Cantos do Trilho”, em Santa Teresa, a trilha para a ópera rock “Dos Meus Bichos de Sombra”, com o autor nas guitarras, violões, vozes e programações, Márcio Iácovo, baixo, Pedro Garcia, bateria e participações especiais de Marcio Mallard, cello, Bebeco, guitarra havaiana e Mc Aori.

Lançou em 2012  o romance, “Biografia de um ilustre marginal” ou crônicas de um anti-herói. Uma crítica ao automatismo que trivializa a vida e oblitera a individualidade, onde o autor mapeia a psiquê das personagens que dão vida à história.

A maneira como veem suas culpas, ressentimentos e solidão, como se não houvesse muito tempo para resolverem essas pendências em suas existências. Um desnudamento de vidas que instiga o leitor a acompanhar suas transformações durante a leitura.

Em 28 de outubro de 2014, lançou o CD “Inverso”, onde Silas Rodrigues trabalhou com os opostos. A sonoridade dividida entre as guitarras distorcidas de Bruno Pederneiras e o cello de Márcio Mallard, girava em torno da reflexão e contestação. “Inverso” ganhou um DVD ao vivo.

FICHA TÉCNICA: ecos da cegueira
Composição, voz e violão: Silas
Guitarras, baixo e bateria: Nobru Pederneiras
Coro: Miria e Silas
Mixagem: Nobru e Damien Seth
Masterização: Pedro Garcia
Gravado nos estúdio Cantos do trilho e GraveA RJ – Brasil.
Direção clipe: Silas e Vitor Kruter
Atriz: Victória Volerav
Assistente: Vilma Valério
Produção: Coletivo Pitoresco
Realização: Estúdio Cantos do Trilho RJ.

Site: https://www.silasrodrigues.com.br
Blog: http://silasrodriguez.blogspot.com/
Youtube: https://www.youtube.com/user/silasroficial

Da Redação by Cleo Oshiro

Artigo anteriorPimentões recheados com carne e arroz
Próximo artigo5ª edição da Expo Clássico bate recordes e arrecada nove toneladas de alimentos
Cleo Oshiro
Sou a Cleo Oshiro, uma mineira que no ano de 2002 optou por viver no Japão com a família. Em 2010 a Revista GVK Internacional no Brasil, especializada em karaokê, me descobriu no Orkut e através da minha paixão pela música e karaokê, decidiram fazer uma matéria sobre minha vida aqui no Japão, afinal foi aqui na cidade de Kobe que ele surgiu e se espalhou pelo mundo. Com a repercussão da matéria, eles me convidaram para ser a Correspondente Internacional da revista no Japão e aceitei o desafio e não parei mais. Fui Colunista Social por 2 anos no Portal Mie/Japão, da Revista Baladas Internacional/ Suiça, na BDCiTV/EUA e na Revista Biografia/ Brasil, realizando entrevistas com várias personalidades do meio artístico. Minhas matérias são para divulgar o trabalho dos artistas, sem apelos sensacionalistas, mesmo porque meu foco é mostrar a imensidão de talentos espalhados pelo mundo sejam famosos ou não. Atualmente faço parte da equipe da Rádio Shiga, onde faço matérias artísticas e sou a idealizadora do programa musical The Best Of Brazilian Music em parceria com o Omote-san. O programa foi suspenso devido problemas interno, mas o tempo em que esteve no ar levava a música brasileira à outros países da Asia. O programa The Best Of Brazilian Music era apresentado em inglês pela DJ Shine Dory, uma filipina apaixonada pela MPB e Bossa Nova. A escolha pelo idioma foi para alcançar japoneses e estrangeiros que vivem no Japão, já que inglês é um idioma universal e os brasileiros já contavam com o acesso as informações dos artistas através das matérias publicadas por mim no site