Líderes do Japão e EUA concordam em iniciar diálogo econômico

Image © (AP/Susan Walsh) - Presidente dos EUA, Donald Trump, e o Primeiro Ministro japonês, Shinzo Abe, acompanhados de suas esposas - feb/2017

Líderes do Japão e EUA concordam em iniciar diálogo econômico. O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, disse que ele e o presidente dos EUA, Donald Trump, concordaram em lançar um diálogo bilateral para aprofundar as relações econômicas.

Abe e Trump falaram em uma conferência de imprensa conjunta, após a sua primeira reunião de cúpula na Casa Branca, na sexta-feira.

Abe disse que o Japão pode oferecer sua tecnologia avançada para contribuir com a estratégia de crescimento de Trump e criar novos empregos nos Estados Unidos.

Ele disse que os dois lados concordaram em lançar um diálogo entre o vice-primeiro-ministro Taro Aso e vice-presidente Mike Pence, acrescentando que as negociações abrangerão uma ampla gama de setores, para explorar formas de aprofundar os laços econômicos bilaterais.

Sobre o comércio, Abe disse que ele e Trump confirmaram a sua forte determinação para a criação de um mercado livre e justo na região Ásia-Pacífico.

Trump retirou os EUA do acordo de livre comércio da Associação Transpacífico, ao qual o Japão pertence, dizendo que ele prefere negociar um pacto comercial bilateral.

Abe notou a importância continuada do Japão e dos EUA liderando o caminho para criar regras livres e justas na Ásia e no Pacífico.

Referindo-se à crítica de Trump sobre as políticas monetária e cambial do Japão, Abe disse que concordou que seus ministros das Finanças continuarão a manter conversações sobre moedas.

Em matéria de segurança, Abe disse que uma forte aliança Japão-EUA é a pedra angular da paz e prosperidade na região da Ásia-Pacífico.

Disse ainda que o vínculo dos dois países é inabalável, e que ele e Trump compartilham uma forte determinação de fortalecer ainda mais essa aliança.

Abe disse que os dois líderes confirmaram que o tratado de segurança Japão-EUA se aplica às Ilhas Senkaku do Japão, no Mar da China Oriental.

O artigo 5 do tratado obriga os EUA a defender o Japão em caso de emergência.

O Japão controla as ilhas. China e Taiwan também as reivindicam.

O governo japonês sustenta que as ilhas são parte inerente do território do Japão.

Abe disse que ele e Trump concordaram em continuar a cooperação, para realocar o Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA da Futenma Air Station, dentro de Okinawa, classificando o plano como sendo a única maneira de resolver o problema.

Ele disse que, também, confirmaram sua forte oposição a qualquer tentativa de mudar o “status quo” através do uso da força ou coerção nos mares do leste e do sul da China.

O primeiro-ministro disse que os líderes também concordaram sobre a importância de resolver a questão dos sequestros da Coréia do Norte, de cidadãos japoneses.

Abe disse que as questões de refugiados e terrorismo requerem cooperação global e que o Japão pretende cumprir com seu papel e responsabilidade.

No entanto, ele se recusou a comentar sobre a ordem executiva de Trump de restringir a entrada de imigrantes e refugiados nos EUA, dizendo que estes são os assuntos internos de outro país.