25 C
Kōnan
terça-feira, 7 de julho de 2020

Brasil: Parque olímpico do Rio de Janeiro, medalha de ouro em abandono

Estatística COVID19 - Coronavírus

Total Global
Última atualização em:
Casos

Mortes

Recuperados

Active

Casos Today

Mortes Today

Critical

Affected Countries

Saiba como funcionam os testes para detectar a covid-19

Saiba como funcionam os testes para detectar a covid-19 Para identificar as infecções causadas pelo novo coronavírus, dois tipos de teste são mais usados: os...

Aviso de emergência de fortes chuvas para três províncias de Kyushu

Aviso de emergência de fortes chuvas para três províncias de Kyushu A Agência Meteorológica do Japão emitiu um aviso de emergência para chuva forte em...

Emitida ordem de evacuação para parte de Kyushu

Emitida ordem de evacuação para parte de Kyushu As ordens de evacuação estão em vigor para partes das províncias de Fukuoka, Saga, Nagasaki e Oita,...

Tóquio relata 102 casos de infecção por coronavírus chinês

Tóquio relata 102 casos de infecção por coronavírus chinês Fontes do Governo Metropolitano de Tóquio informam que 102 novos casos de infecção por coronavírus chinês...

Bibliotecas de Hong Kong retiram livros pró-democracia das prateleiras

Bibliotecas de Hong Kong retiram livros pró-democracia das prateleiras Livros de personalidades pró-democracia ficaram indisponíveis em bibliotecas públicas de Hong Kong depois que a lei...

Brasil: Parque olímpico do Rio de Janeiro, medalha de ouro em abandono. Seis meses após o fim dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, o legado que ficou para a cidade é bem diferente daquele prometido pelos governos municipais e estaduais.

O estado de total abandono das instalações do Parque Olímpico na Zona Oeste, que consumiu R$ 7 bilhões em obras, é flagrante.

Prédios abandonados, piscinas vazias, sujeira, equipamentos quebrados e um cenário que impressiona turistas e visitantes.

Das nove instalações que compõem o Parque Olímpico, a promessa era de manter sete após o fim dos jogos, incluindo a Arena Rio, o Parque Aquático Maia Lenk, Arenas 1 e 2 e o Centro de Tênis.

O Velódromo seria desmontado, mas seu destino continua incerto.

Outra promessa ainda não cumprida é a de adaptar parte das instalações para funcionarem como escolas públicas.

Para piorar, na Vila dos Atletas, os grandes condomínios de 30 andares continuam vazios.

Com a recessão que afeta o Brasil há dois anos, não há compradores que possam bancar o preço das unidades, as mais baratas cotadas acima de R$ 1 milhão.

Para Renato Cinco, vereador do PSOL, o processo foi equivocado desde o início.

“Desde a vinda das Olimpíadas para o Rio de Janeiro até todo o processo de execução das obras, a gente fez várias críticas. Uma importante: a reurbanização da Zona Portuária faz parte do legado olímpico. Eu fui um daqueles que defendeu que as Olimpíadas fossem na Zona Portuária. A vinculação da Zona Portuária com as Olimpíadas virou uma forçação de barra, porque houve muito pouca instalação olímpica na Zona Portuária”, diz o parlamentar. 

Cinco diz que o potencial das Olimpíadas poderia ser usado para resolver a falta de habitação na região central da cidade. Segundo ele, se o Parque Olímpico e a Vila dos Atletas tivessem sido construídas lá, hoje seria possível uma oferta de imóveis de baixa renda e para a classe média, ajudando a enfrentar um grave problema da cidade que é a mobilidade.

“A opção foi pela especulação imobiliária  e uma aposta econômica equivocada. Apostar que o Rio de Janeiro iria ter dois eixos de desenvolvimento urbano — o da Zona Portuária e ao mesmo tempo o da Zona Oeste — foi um erro. Naquela época, o Sindicato dos Arquitetos já criticava essa aposta.”

O vereador diz que outro erro foi fazer da Vila dos Atletas imóveis de luxo.

“Além de escolherem o lugar errado para fazerem as Olimpíadas, também escolheram o modelo errado de aproveitamento da Vila dos Atletas, com aposta em imóveis de luxo e não para baixa renda e classe média. Faz parte da história do Rio de Janeiro, há um século pelo menos, que o poder público investe na expansão imobiliária na zona litorânea da cidade. Ele entra nas regiões onde a especulação imobiliária está interessada, expulsa os pobres em Ipanema, Copacabana, Lagoa, Barra, Recreio e agora no Parque Olímpico e na Vila dos Atletas”, garante o parlamentar.

Na visão de Cinco, o que se fez com as Olimpíadas do Rio de Janeiro foi a velha lógica do poder público de financiar a expansão imobiliária da cidade para regiões cada vez mais longe do Centro causando não só problema com a mobilidade, mas também dano ao meio ambiente.

“O Rio não tem justificativa para fazer isso. Perto do Centro, especialmente na Zona Portuária e nas regiões próximas do Centro, na Zona Norte, a capacidade de adensamento da ocupação é mais do que suficiente para garantir a expansão da moradia para essa população que vai se expandir nos próximos anos. Nos dois mandatos do prefeito Eduardo Paes, a Prefeitura pediu R$ 10 bilhões em empréstimos para poder financiar essas apostas equivocadas”, denuncia.

No final da gestão passada, a Câmara Municipal começou a discutir o Plano de Estruturação Urbana das Várzeas. Segundo Cinco, a nova fronteira de expansão que interessa à especulação imobiliária é do Parque Olímpico em direção às Guaratibas, passando pelas várzeas, onde se vai ver o direito das populações pobres e o meio ambiente serem atacados de novo.

Artigos relacionados

Covid-19 Brasil: 1.603.055 casos confirmados, 64867 mortes, 906.286 recuperados e 631.902 em recuperação

Covid-19 Brasil: 1.603.055 casos confirmados, 64867 mortes, 906.286 recuperados e 631.902 em recuperação Boletim divulgado neste domingo (5) pelo Ministério da Saúde, registra que até...

Saiba como funcionam os testes para detectar a covid-19

Saiba como funcionam os testes para detectar a covid-19 Para identificar as infecções causadas pelo novo coronavírus, dois tipos de teste são mais usados: os...

Covid-19 Brasil: 1.577.004 casos confirmados, 64.265 mortes, 876.359 recuperados e 636.380 em recuperação

Covid-19 Brasil: 1.577.004 casos confirmados, 64.265 mortes, 876.359 recuperados e 636.380 em recuperação Segundo o boletim divulgado no final da tarde deste sábado (04) pelo...

ÁSIA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS - BRASIL

Covid-19 Brasil: 1.603.055 casos confirmados, 64867 mortes, 906.286 recuperados e 631.902...

0
Covid-19 Brasil: 1.603.055 casos confirmados, 64867 mortes, 906.286 recuperados e 631.902 em recuperação Boletim divulgado neste domingo (5) pelo Ministério da Saúde, registra que até...
Translate »