Véronique Tardif:  Uma conceituada saxofonista francesa da música clássica. Véronique Tardif é uma conceituada saxofonista francesa de música clássica, detentora do Diploma de Estudos Musicais pelo Conservatório Nacional de Região de Marselha (2000) (saxofone, música de câmara, formação musical, história da música, análise), do Diploma de Estado em ensino do saxofone (2001), do Primeiro Prêmio de Aperfeiçoamento em saxofone e música de câmara contemporânea (classe de Marie-Bernadette Charrier e Etienne Rolin) pelo Conservatório Regional de Bordeaux.

11866396_944094345654059_4858301046240148615_n Estudou e trabalhou com os compositores: François Rossé, Claude Crousier, George Bœuf, Pascal Gobin, Bruno Giner, Wianney Qolltan, Michel Pascal, Étienne Rolin, Didier Marc Garin, Jose Luis Campana, Christian Lauba, Jacques Petit, François Tashdjian, Francis Faber, Thomas Collin, Grégoire Lorieux, Christophe Havel, Thierry Muller, Gian Franco Gioia, Gaëtan Santamaria, Ilio Volante.

Ao longo de seu percurso, ela trabalhou com diversas formações, sendo bastante atuante como solista, camerista, com grandes grupos e orquestras de sopro, tendo realizado concertos em Marselha, Bordeaux, Nice, Paris, Rouen, na Itália, em Kiev – Ucrânia – entre outros.

Véronique é casada com o saxofonista brasileiro Sérgio Galvão e se apresentam juntos em alguns shows.

Especialmente sua experiência com música de câmara é bastante hy7vasta, e inclui desde o tradicional quarteto de saxofones (o seu atual quarteto Aeolia, do qual faz parte desde 2010, é parceiro das marcas SELMER e VANDOREN, e se apresenta regularmente na Normandia), até formações incluindo música eletroacústica (do qual se 12417617_1016371645092995_6957300755383993388_ndestaca seu trabalho mais recente com o grupo La Grande Fabrique do Conservatório de Rouen, com Thomas Collin, Francis Faber, Philippe Tailleux, Grégoire Lorrieux). Véronique é professora de saxofone no Conservatório Regional de Rouen, juntamente com Marc Sieffert e regente da Orquestra de Sopros de Grandcamp – Normandia.

Ao longo de sua carreira, atuou em várias formações:

  • como Solista em diretórios diferentes: música contemporânea, música do século 20, concertos Transcrições em Marselha, Bordeaux, Rouen, Paris, Roma, turísticos do Brasil (Brasília, Rio, Tiradentes) …
  • Desde Agosto de 2010, faz parte do quarteto de saxofones Aeolia (marca parceira RICO), que ocorre regularmente na França, onde foi selecionada para atuar no Strasbourg Congresso Internacional do saxofone em julho de 2015.
  • Música Acústica Electro: Concerto com La Grande Fabrique no CRR em Rouen, com teaserbox_2453959127Collin Thomas, Francis Faber, Philip Tailleux Gregory Lorrieux.
  • No Trio, sax percussão com compositores argentinos em sofás Rouen.
  • Com O quarteto de saxofones da cidade de Bordéus, em repertório contemporâneo.
  • Com o Saxophone Quartet “4saxofun,” que realizou muitos concertos na França (Savoie, em Marselha: o Teatro cana, Palácio do Congresso, Creuset des Arts, Palais Longchamp), na Itália (festival de música de câmara Turim), em Kiev, Ucrânia …
  • Véronique Tardif fazia parte da big band “Latin Combo” entre 2008 e 2011, o saxofone barítono.

Orquestras

  • Prática: Desde 2007, ela apresenta-se regularmente como solista com o Concerto da cidade de Forges Les Eaux, entre outros, a criação de “Juventude” Ferrer Ferrand, peça solo de saxofone para tenor e orquestra, sobre o compositor; Em 2003 participou de concertos na Ópera de Marselha, sob a direção de Tânia Leone; Em 2002-2003: integração de ONHJ.
  • 707115_cachasax-cinema-ariel-mont-st-aignan-mont-st-aignanAtualmente participa da Criação Trio BCT’rio: Ela no saxofone, Frédéric Baldo (acordeão) e Aurélien Colas (guitarra). Faz parte da Criação do quinteto de jazz brasileira Latina “CachaSax”, ao lado de seu esposo, o brasileiro e também saxofonista Sergio Galvão, Rémi Biet, Guillaume Lemoine e Cédric Vincent.
  • Véronique Tardif  é também diretora artística da harmonia da Normandia Grandcamp e Em 2013, obteve o grau de professora de saxofone do Ensino Artístico ( Essa conquista foi muito importante para Véronique, por ser considerado o mais alto grau na França)

Ela é exclusiva da marca Senzo Buffet Crampon, uma empresa líder mundial de clarinetes profissionais, sendo fabricante e distribuidora de instrumentos de sopro, fundada em 1825 em Paris. A Buffet Crampon fabrica clarinetes harmonia, saxofones, oboés e fagotes que são usados em todo o mundo pelos mais talentosos músicos.

Maiores informações, em francês: http://www.buffet-crampon.com/fr/artist/veronique-tardif/

Radio Shiga by Cleo Oshiro Oficial Page: http://wp.radioshiga.com/programacao/

Artigo anteriorCastração na Indonésia, “para acabar com a pedofilia”
Próximo artigoEduardo Cunha é preso pela PF em Brasilia e levado para Curitiba
Cleo Oshiro
Sou a Cleo Oshiro, uma mineira que no ano de 2002 optou por viver no Japão com a família. Em 2010 a Revista GVK Internacional no Brasil, especializada em karaokê, me descobriu no Orkut e através da minha paixão pela música e karaokê, decidiram fazer uma matéria sobre minha vida aqui no Japão, afinal foi aqui na cidade de Kobe que ele surgiu e se espalhou pelo mundo. Com a repercussão da matéria, eles me convidaram para ser a Correspondente Internacional da revista no Japão e aceitei o desafio e não parei mais. Fui Colunista Social por 2 anos no Portal Mie/Japão, da Revista Baladas Internacional/ Suiça, na BDCiTV/EUA e na Revista Biografia/ Brasil, realizando entrevistas com várias personalidades do meio artístico. Minhas matérias são para divulgar o trabalho dos artistas, sem apelos sensacionalistas, mesmo porque meu foco é mostrar a imensidão de talentos espalhados pelo mundo sejam famosos ou não. Atualmente faço parte da equipe da Rádio Shiga, onde faço matérias artísticas e sou a idealizadora do programa musical The Best Of Brazilian Music em parceria com o Omote-san. O programa foi suspenso devido problemas interno, mas o tempo em que esteve no ar levava a música brasileira à outros países da Asia. O programa The Best Of Brazilian Music era apresentado em inglês pela DJ Shine Dory, uma filipina apaixonada pela MPB e Bossa Nova. A escolha pelo idioma foi para alcançar japoneses e estrangeiros que vivem no Japão, já que inglês é um idioma universal e os brasileiros já contavam com o acesso as informações dos artistas através das matérias publicadas por mim no site