Netinho: Músico fala dos 50 anos da banda Os Incríveis. Luiz Franco Thomaz, músico, compositor, produtor e escritor, nasceu em Santos-SP no dia  5/04/1946. Mais conhecido como Netinho, o baterista da banda Os Incríveis, esse caiçara do morro da Juréia, de sangue luso-italiano, foi criado por tupis guaranis do rio do Azeite, que atravessa a cidade de Itariri. Luiz diz que começou a percussão ainda menino, quando tocava o sino da igreja chamando o povo para a missa.

Os Incriveis 4

O primeiro contato com as baquetas foi aos 7 anos, tocando repique na fanfarra do colégio, e aos 11 era o responsável por tocar caixa na banda musical do Seminário em São Vicente, onde estudou interno por 2 anos. Aos 14 anos se tornou músico profissional e entrou para a Orquestra Tropical tocando bongô. Seu primeiro emprego foi como baterista de banda de baile.

Luiz largou a orquestra e se mudou para São Paulo para prosseguir seus estudos, mas sem deixar de alimentar a esperança de se dedicar a música. A oportunidade surgiu, quando ficou sabendo que uma banda amadora estava precisando de um baterista que tivesse instrumento próprio. Netinho liga para o seu avô que sem pestanejar lhe possibilita a compra da bateria. E foi assim que ganhou o nome artístico de Netinho e iniciava a carreira no The Clevers, que mais tarde mudaria o nome para Os Incríveis.

10499578_526950887451316_1828617364948065183_o

Netinho é um músico que gosta de escrever  e tem mais de 50 letras de músicas gravadas e um livro que foi publicado em 2009, com o título de NETINHO-Minha história ao lado das baquetas, onde ele conta histórias emocionantes e engraçadas que vivenciou durante sua trajetória musical. O músico nesse seus 55 anos de carreira se apresentou em grande parte das cidades brasileiras e também no exterior, como Japão, Europa e das 3 Américas.

O primeiro encontro do baterista Netinho com o Manito (Antonio Rosas Sanchez) aconteceu no ano de 1961, na casa do baixista Neno (Demerval Teixeira Rodrigues) e do irmão saxofonista Irupê, companheiro de escola  no seminário, na Avenida Santa Efigênia, quando não havia sido invadida pelo comércio.  Foi ai que aconteceu o primeiro encontro de Neno, Mingo, Risonho, Manito e Netinho, onde decidiram encarar o sonho  junto com Antonio Aguillar e montaram o grupo musical The Clevers. Em 1962 gravaram o primeiro disco pela gravadora Continental.

11128482_694582164021520_6722526564698875201_o

Em 1963 o grupo tinha um programa na tv chamado Clevers Show, com balé dirigido pelo Leny Dale, mas foi interrompido devido a turnê que o grupo fez  com a cantora Rita Pavone por 35 cidades italianas. Nessa época Netinho e Rita viveram um romance. Após 10 meses em Buenos Aires, o grupo retorna ao Brasil  já com o nome mudado para Os Incríveis. Participaram do Programa Jovem Guarda (TV Record) e em seguida foram contratados pela TV Excelcior para apresentarem o programa Os Incríveis, nas tardes de domingo.

Em 1966 o grupo fez um cruzeiro marítimo por 5 países da Europa e filmou um longa metragem Os Incríveis nesse Mundo louco, que foi produzido por Primo Carbonari e direção de Paulino Brancato Jr. Nesse cruzeiro Netinho conheceu Sandra Haick, com quem se casou e teve dois filhos, o Sandro e a Samadhi. Quando retornaram ao Brasil a música Era um garoto que como eu, estava no auge do sucesso, e em 1967 foram contratos pela TV Tupi onde apresentavam o programa Os Incríveis, que era líder de audiência.

10400060_733928726753530_1850627977873816248_n

O grupo se apresentou no Japão no ano de 1968, fazendo vários shows e gravaram cantando em japonês. Em 1970 batem um novo recorde com a música Eu Te Amo Meu Brasil , da dupla Dom e Ravel e um novo integrante se junta ao grupo, o guitarrista e vocalista Aroldo Santarosa. 1971 o grupo decidi parar e Netinho e Aroldo, montam uma nova banda chamada Casa das Máquinas, onde gravaram 3 LPs pela gravadora Som Livre.

Em 1995 aconteceu o show Novo de Novo, comemorando os 30 anos da Jovem Guarda com a presença de vários artistas que fizeram parte dessa época. A produção do evento foi do cantor e compositor Eduardo Araújo e o Netinho, realizado no Tom Brasil em São Paulo durante 1 mês com grande sucesso de público e com 2 CDs gravados pela Paradoxx. A banda gravou em 2000 o CD Os Incríveis ao Vivo pela gravadora Wea, com direção do Netinho e produção do seu filho Sandro Haick.

12096568_795419030604499_5632073512225087357_n

Foram mais de 30 anos de glória, numa parceria  repleta de histórias e uma cumplicidade para o que desse e viesse, mas como desentendimentos acontecem, entre eles não era diferente, e os mais briguentos dos Incríveis eram o Manito e o Netinho, onde brigavam até nos palcos no meio dos shows e se alguém tentava apartar, apanhava dos dois. Mas essas brigas não geravam magoas não, e logo os dois estavam saindo na boa, como se nada tivesse acontecido. Os dois já enfrentaram situações em suas trajetórias, como quando iam realizar um show em praça pública e o guitarrista e o baixista que também eram os vocalistas do quarteto que montaram para se apresentarem para um público de milhares de pessoas não apareceram para tocar. Os dois sabiam que o show não poderia parar, e encararam a multidão fazendo uma apresentação diferente, apenas com um sax e a bateria.

Os Incríveis tocaram com grandes nomes da música nacional e internacional como Elis Regina, Tim Maia, Altamiro Carrilho, Neil Sedaka. Em 1976 Netinho deu uma palhinha com o Genesis, com o Phil Colins na bateria, enquanto o Netinho assumia a bateria do Bil Bruford, no Odeon em Hamersmith em Londres.

12744389_861219824024419_174332511956643080_n

O CD Velhos Tempos, produzido por Sandro Haick, tem 12 músicas inéditas, sendo todas deles em diferentes estilos no espírito dos anos 50, 60, 70 e com uma qualidade musical impecável. Com Netinho na bateria, Sandro Haick na guitarra, Leandro Weingaertner no baixo e vocal e Wilson Teixeira no sax, a banda contou com várias participações especiais nesse CD, entre eles o Dominguinhos no acordeom.

O CD de comemoração dos 50 anos da banda Os Incríveis, que estava sem gravar há 30 anos, levou 7 meses para ficar pronto, entre criação  e gravações de áudio no estúdio Haick /Na Glória. O nome do CD Velhos Tempos, é titulo de uma música instrumental de Dominguinhos e foi também o primeiro vídeo clipe da banda, com a música Boato. No disco teve um pouco de tudo, como o samba, samba rock, rock, baladas românticas e instrumentais da melhor qualidade.

Em 2014 Os Incríveis gravaram o DVD ao vivo em comemoração aos 50 anos da banda, mas ele só foi lançado em 2015 . O DVD demorou 3 anos para ser concretizado e chegou ao custo de  quase meio milhões de reais. Os Incríveis tem se apresentado em várias cidades com shows comemorativos dos seus 50 anos de estrada com muita música de qualidade para agitar a galera.

capafinal_copy

Em janeiro de 2016, Netinho participou da reinauguração do Pavilhão do Japão, no parque Ibirapuera, com a presença de diretores de empresas japonesas, onde o cônsul japonês anunciou que o Netinho estará ajudando no evento Brasil-Japão  no dia 06/08/2016, com transmissão simultânea

Faixas do DVD:

1. Abertura Lambreta / Locução – Paulinho Ribeiro
2. Homem Do Braço De Ouro
3. O Vagabundo (Giramundo)
4. Molambo / My Prayer
5. O Vendedor De Bananas / O Ovo / Sem Vergonheira Homenagem Aos Ex-Integrantes
6. Sleep Walk / Love Goddess Of Venus / O Milionário
7. Hully Gully Na Lua / Michael, Row The Boat / O Passo Do Elefantinho
8. Meu Limão Meu Limoeiro / País Tropical / Biquini De Bolinha Amarelinha (O Tão Pequenininho)
9. O Pica Pau / Banho De Lua / Estupido Cupido
10. Solo De Sax / Rua Augusta / O Bom
11. Docs Of The Bay / My Cherie Amour
12. No One To Depend On / Brown Sugar / Get Back
13. Have You Ever Seen The Rain / Proudy Mary / I’m A Believer
14. I Feel Good / Peter Gun / Pretty Woman
15. Solo De Guitarra / Desvairada / Carinhoso
16. Adeus Amigo Vagabundo
17. Marcas Do Que Se Foi / Eu Te Amo Meu Brasil
18. Era Um Garoto Que Como Eu Amava Os Beatles E Os Rolling Stones / Twist And Shout / I Can’t Get No
19. Solo De Bateria
20. Let’s Twist Again / See You Later Alligator / Rock Around The Clock / Shake, Rattle And Roll / Tutti Frutti
21. What I Say

Radio Shiga by Cleo Oshiro

TWITTER: @InterNetinho
Netinho: Músico fala dos 50 anos da banda Os Incríveis
Netinho: Músico fala dos 50 anos da banda Os Incríveis
Artigo anteriorJapão: formada coligação para apoiar candidatos que são contra as alterações na lei de segurança
Próximo artigoAnalizan el estado del brote de zika en Latinoamérica
Cleo Oshiro
Sou a Cleo Oshiro, uma mineira que no ano de 2002 optou por viver no Japão com a família. Em 2010 a Revista GVK Internacional no Brasil, especializada em karaokê, me descobriu no Orkut e através da minha paixão pela música e karaokê, decidiram fazer uma matéria sobre minha vida aqui no Japão, afinal foi aqui na cidade de Kobe que ele surgiu e se espalhou pelo mundo. Com a repercussão da matéria, eles me convidaram para ser a Correspondente Internacional da revista no Japão e aceitei o desafio e não parei mais. Fui Colunista Social por 2 anos no Portal Mie/Japão, da Revista Baladas Internacional/ Suiça, na BDCiTV/EUA e na Revista Biografia/ Brasil, realizando entrevistas com várias personalidades do meio artístico. Minhas matérias são para divulgar o trabalho dos artistas, sem apelos sensacionalistas, mesmo porque meu foco é mostrar a imensidão de talentos espalhados pelo mundo sejam famosos ou não. Atualmente faço parte da equipe da Rádio Shiga, onde faço matérias artísticas e sou a idealizadora do programa musical The Best Of Brazilian Music em parceria com o Omote-san. O programa foi suspenso devido problemas interno, mas o tempo em que esteve no ar levava a música brasileira à outros países da Asia. O programa The Best Of Brazilian Music era apresentado em inglês pela DJ Shine Dory, uma filipina apaixonada pela MPB e Bossa Nova. A escolha pelo idioma foi para alcançar japoneses e estrangeiros que vivem no Japão, já que inglês é um idioma universal e os brasileiros já contavam com o acesso as informações dos artistas através das matérias publicadas por mim no site